PREVIDÊNCIA PRIVADA NÃO É INVESTIMENTO

previdencia-privada-investimento-capa

Infelizmente, posso afirmar que a previdência privada não é investimento e neste artigo vou te explicar os conceitos que vão confirmar isso.

Vejo muitas pessoas que aplicam na previdência privada mensalmente para garantir a aposentadoria no futuro sem conhecer de fato o produto.

Lembre-se que o pior de se aplicar na previdência privada não é agora, mas sim daqui a 30 anos quando você precisar decidir como irá resgatar o seu fundo.

Imagine você com a idade de seu avô tendo que decidir se vai receber uma renda mensal vitalícia ou um montante grande de uma vez. É claro que esse assunto nenhum gerente de banco vai te ajudar.

Previdência Privada e SUSEP

Não sou eu que afirma que a previdência privada não é investimento. É o próprio Sistema Financeiro Nacional.

Diferentemente dos investimentos em ações, que são supervisionados pela Comissão de Valores Mobiliários (CVM), e dos bancos e corretoras, que são supervisionados pelo Banco Central do Brasil, a Previdência Privada é supervisionada pela Superintendência de Seguros Privados (SUSEP).

A Susep é responsável pelos seguros, resseguros , títulos de capitalização além da previdência complementar aberta (previdência privada). Veja que podemos considerar a previdência privada mais próxima de um seguro do que do investimento em si.

A maior preocupação de uma previdência privada não é a rentabilidade em si, mas sim em você receber uma renda na sua aposentadoria.

É como um fundo onde você aplica seu dinheiro e na sua aposentadoria você recebe novamente este valor.

As primeiras previdências privadas chamadas de tradicionais te garantiam taxas prefixadas (por volta de 6 %) mais a variação da inflação calculado pelo IGPM. É essa previdência privada que minha mãe abriu para mim e tenho até hoje.

Como as previdências privadas tradicionais estavam dando prejuízo para os bancos e seguradoras, decidiram substituí-la pelos famosos VGBL e PGBL.

O VGBL e o PGBL não possuem uma rentabilidade garantida por contrato e assim ficaram mais lucrativos para os bancos e seguradoras.

Resgate total ou renda mensal

A maior dificuldade ao se aplicar na previdência privada é escolher entre o resgate total ou renda mensal vitalícia no dia do vencimento.

Há uns 3 meses atrás, um amigo médico que está próximo do vencimento da previdência privada me perguntou o que seria o mais ideal. Na época pensei que qualquer uma das opções seria o ideal.

Há 1 semana, em uma palestra sobre tesouro direto e investimentos na livraria Saraiva de Campinas, o palestrante falou uma frase que me fez refletir:

Se você escolher receber a renda mensal, você vai abdicar do seu direito a esse dinheiro e dará ao banco.

Veja nesta entrevista que a sua renda mensal seria como um prêmio de seguro.

Deixe me explicar as duas opções:

Resgate total:

Se você escolher o resgate total, você terá usado seu dinheiro como se fosse uma aplicação em um investimento. O problema é que você paga taxas de administração, taxas de carregamento de entrada e saída, além de receber uma rentabilidade baixa.

Nesse caso, a melhor alternativa seria ter feito uma aplicação em Tesouro IPCA de longo prazo pagando somente 0,3 % de taxa anualmente.

Os fundos de previdência privada também podem ter prejuízo e neste caso você teria que pagar a mais. Veja o caso dos Correios, em que os funcionários terão que pagar pelos erros dos gestores.

Outro problema é o imposto de renda no resgate. Para a previdência privada, se você escolher o regressivo, pagará 10 % no resgate após dez anos, mas se for antes de 4 anos a alíquota chega a ser de 35 %.

Na tabela progressiva, você terá um imposto de 27,5 % (provavelmente seu valor vai ser maior que o teto máximo). Uma curiosidade: se você resgatar antecipadamente na tabela progressiva, você pagaria somente 15 %.

Veja que no caso de uma aplicação de Tesouro Direto, você pagaria 15 % se o seu investimento ficasse pelo menos 2 anos.

Não há dúvidas que para um resgate total, é muito melhor investir diretamente no Tesouro Direto pelo maior controle do investimento, menor taxa de administração e maior simplificação do imposto de renda.

Resgate mensal:

É nessa opção que aparentemente parece melhor que está o perigo. Você pode ser enganado pelo gerente que neste resgate você pagaria menos imposto (se for progressivo, a alíquota pode chegar a zero), mas existe um segredo não divulgado.

Ao assinar o recebimento de renda mensal vitalícia, você automaticamente perde o direito do seu dinheiro e transfere o dinheiro ao banco. Funciona como um seguro de carro. Se você usar tudo bem, mas se não usar perde o direito ao dinheiro.

Uma história

Por exemplo, se você tiver 500 mil reais no dia do resgate. E você decide no dia receber uma renda mensal vitalícia de 4 mil reais. Parece bom né?

Mas caso você sofra um acidente e infelizmente falecer no mês seguinte, todo o dinheiro que sobrar é do banco. Você iria receber somente  4 mil reais em um mês. Os outros 496 mil reais ficam no banco.

Se no seu contrato não estiver escrito com detalhes que a renda pode ser passada para um dependente, seu dinheiro some.

É por isso que é importante a educação financeira. Se você não leu seu contrato ainda, eu te aconselho a ler e deixe um comentário abaixo. Todo o seu investimento pode ser levado sem você perceber.

Percebeu que no fim a previdência privada funciona mais como um seguro do que um investimento. E você pode fazer contas e contas da rentabilidade da sua previdência privada, mas isso não te garantirá a receber o seu dinheiro no futuro.

Então se você achava que sua previdência privada iria te ajudar na sua aposentadoria, estude mais sobre investimentos para não ter o risco de perder todo o seu dinheiro.

Aqui o meu maior conselho seria avaliar seu contrato e verificar o que consta na página sobre renda mensal vitalícia. Se ela será repassada aos dependentes ou não.

Tem aquela história de investir em VGBL para você poder beneficiar seus dependentes em caso de sua morte por não fazer parte do inventário.

Isso é verdadeiro, mas ninguém avisa que se você já estiver recebendo a renda mensal do VGBL, você não poderá repassar nada a seus dependentes se não estiver escrito no contrato.

Estratégia para sua Previdência Privada

Muita gente aplica na previdência privada porque acha que vai ter uma renda mensal garantida na aposentadoria. Agora você aprendeu que não é tão simples assim.

O ideal é você aprender a fazer dos seus investimentos uma forma de ter fluxo de caixa mensal como o artigo do Vitor ensina.

Você não pode esperar até estar com seus 70 anos para aprender a investir de forma prática. Se você começar hoje, você terá melhor resultado.

Se você já tem um plano de previdência privada, leia com atenção o contrato sobre a renda mensal no resgate. Veja os direitos de seus dependentes.

No caso de ser um plano regressivo:

Não vale a pena resgatar se não tiver com 10 anos de aplicação. O imposto de renda é muito cruel e os bancos e as seguradoras fazem isso para manter os clientes pagando mensalidade por 10 anos.

Uma alternativa é avaliar a portabilidade do plano para um com melhor rentabilidade e menor taxa de administração.

No caso de ser um plano progressivo:

Avalie a rentabilidade e a taxa. Se a rentabilidade for menor que a aplicação direta no tesouro direto e a taxa maior que 1,0 %, resgate antecipadamente para pagar somente 15 % de imposto de renda (consulte antes as regras sobre o imposto de renda e confirme que pagará somente isso mesmo).

Conclusão

previdencia-privada-investimento-01
A previdência privada não é investimento. É somente uma forma de assegurar que você tenha uma renda no futuro, mas com muitos detalhes explicados no artigo.

Podemos dizer que seria como um seguro de vida em que o banco ganhará se você falecer mais rápido.

Mesmo a previdência privada parecendo simples, você precisa saber de detalhes importantes do seu contrato:

É VGBL ou PGBL? Regressivo ou progressivo? Taxa de administração e taxa de carregamento? Rentabilidade? Portfólio? Renda mensal para dependentes?

Se quiser, faça uma colinha dessas perguntas e vá falar com seu gerente do banco.

A melhor alternativa é aprender a investir com o Jornada do Dinheiro e escolher os próprios investimentos. Controlar o fluxo de caixa dos investimentos é muito importante para seu futuro.

Deixe nos comentários suas dúvidas sobre previdência privada!

Edson Ichihara

  • Marcos de Paula

    Edson, interessantes os argumentos. Engraçado que com um órgão regulador em cima, mesmo assim continuam a oferecer produtos (previdência privada) de péssima qualidade… é ai que entra o JD do dinheiro para abrir nossos olhos… valeu pelas dicas!! Ainda bem que já saquei toda minha grana da previdência privada e coloquei em TD. Mas tenho uma pergunta, no meu caso eu tinha previdência privada onde eu pagava um valor e minha empresa contribuía com o mesmo percentual, obvio até o limite de 3%. Mesmo assim eu vinha acompanhando que a rentabilidade estava abaixo da inflação do período!!! Pode isso?
    Se você não acompanha fica achando que está tranquilo e na verdade está perdendo dinheiro. Educação financeira é o caminho, só a partir daí que consegui enxergar e compreender melhor os ativos e aloca-los da melhor forma!! Obrigado!

  • Muito bom o texto. Apenas para exemplificar meu caso pessoal:

    Eu ainda possuo um PGBL que possuía quando era funcionário de uma grande empresa. Eu entrei no plano porque a empresa depositava o mesmo valor da minha contribuição. Esse foi o único motivo para eu aceitá-lo. Apesar das altas taxas de carregamento e administração, ainda assim valia a pena.

    Com o tempo fui ficando mais esperto. Assim que pedi as contas, fui para a ação.

    Já mudei duas vezes de administradora (do Bradesco para Itaú e depois para a Mapfre). De uma taxa de carregamento inicial de 5% foi para zero. De uma taxa de administração de 3% foi para 0,8%.

    E implantei a estratégia, até hoje, de retirar anualmente apenas o valor que me permita fazer a Declaração de IR anual recebendo os 15% pagos na retirada no ano seguinte, uma vez que não me empreguei novamente (vivo das aplicações financeiras) e não tenho outros rendimentos tributáveis como salário.

    Assim, eu recebo de volta (embora seis-sete meses depois) todo o valor de IR que eu paguei no fim do ano anterior na declaração anual de IR. Vou fazendo isso até zerar o saldo.

  • Edson Ichihara

    Olá André! Muito obrigado pelo elogio e pelas dicas! É uma ótima estratégia para resgatar o seu dinheiro da Previdência Privada! Vai ajudar o pessoal que ler os comentários!

  • Edson Ichihara

    Olá Marcos! Obrigado pela mensagem! A rentabilidade pode ser abaixo da inflação sim! Por isso tem que tomar cuidado.O que você poderia fazer é tentar uma portabilidade para outra previdencia privada com melhor taxa e rentabilidade. E depois resgatar o valor! Veja se você consegue fazer isso para não perder dinheiro nela!

  • Savio

    Parabéns mais uma vez por esse artigo, Edson. Abriu os olhos de muita gente. Embarcando na mesma linha, abri uma conta na Sofisa Direto e estou fazendo uma espécie de “previdência privada” para minha filha de 10 anos, depositando 30 reais todos mês no CDB com liquidez diária. O que você acha dessa ideia? Teria uma outra sugestão melhor? Obrigado!! Abraços!!!

  • Edson Ichihara

    Olá Savio, muito obrigado pelo elogio! Excelente ideia porque ela já vai ter liquidez e o rendimento vai ser alto. Você poderia diversificar com o Tesouro IPCA também. Assim você se protegeria do aumento da inflação.. ou té algum Tesouro ou titulo prefixado para proteger da diminuição do CDI.

  • Savio

    É mesmo, Edson!! Na minha cabeça, só estava com Tesouro Selic na cabeça e esqueci completamente que os outros Tesouros eu podia fazer aportes bem baixos. Obrigado pela dica!! Abraço grande!!

  • Thiago Augusto

    Parece que a única forma de se ter uma PP é quando a Empresa paga a metade, mesmo assim deve-se ficar atento para negociar as taxas de administração, de performance, de entrada e de saída. Sempre cabe negociar.
    Em contrapartida, para quem é autônomo, profissional liberal, etc… fazer seus próprios investimentos. O perfil de público que mais cai no conto da Previdência é quem não tem educação financeira.

  • Kiyoshi

    Edson, muito bom a sua explicação. Parabéns.
    Investir em previdência privada é uma ilusão, algumas pessoas ainda não fizeram a comparação ou confiam muito do seu dinheiro aos gerentes e corretores, sobre os rendimentos auferidos durante o período de aplicações..
    Fazer um complemento para a aposentadoria, não requer muita experiência, e sim a vontade de querer aprender a investir o seu dinheiro em algo mais rentável que a poupança ou previdência privada.
    O mau do ser humano é o comodismo, estou tirando esta conclusão por parte da minha pessoa, pois comecei investir fora da poupança após os 45 anos e ainda, com o investimento errado, todo aplicado nos produtos do banco.
    Aos 52 anos, atualmente, comecei a mudar o modo de pensar e agir, estou investindo agora em cursos de finanças e investimentos, e aos poucos, retirando as aplicações do banco e passando para o tesouro direto.
    Atualmente, utilizo a corretora Easynvest, mas futuramente passarei a utlizar também, a corretora XPinvest, pois a partir de 01/09/2016, a corretora isentou-se de todas as taxas de custódias e de Ted.
    Diversifiquem suas aplicações financeiras, distribuindo pelo tipo de investimento e prazo de utilização. É uma das maneiras de se fazer uma projeção para uma aposentadoria saudável e complementar ao INSS, se existir até vc aposentar.
    Um abraço a todos.

  • Edson Ichihara

    Olá Thiago, muito obrigado pela mensagem! E quando a empresa paga a metade, tem que avaliar o tipo de investimento do fundo. Coitado das pessoas que tinham fundos de pensão dos Correios, e agora o do Banco do Brasil, CEF e Petrobras! A melhor alternativa é fazer a própria carteira e cuidar do fluxo de caixa!

  • Edson Ichihara

    Olá Kiyoshi, muito obrigado pelo elogio e mensagem. Parabéns por estar no caminho certo da educação financeira e investimentos! Agora com a XP sem taxa de administração no Tesouro Direto ela se torna uma boa alternativa!

  • Thiago Augusto

    Realmente… Na minha, era fundos multimercados que rendia 0,45 a 0,60 a.m. Imagina… Você alerta para outra questão, que como vamos saber destes acontecimentos sobre as Empresas? Obrigado pela interação.

  • Ana Paula Detlinger

    Uma pena seu artigo tendencioso.
    O investimento em um vgbl, além de ser o melhor tipo de investimento nmo longo por sua eficiência fiscal – juros sobre imposto retido – ainda proporciona a flexibilidade dese optar por uma renda. Hoje existem excelentes fundos, com boas estratégias, baixas taxas de administração e isentas de carregamento. Ah sim, você desconhece está informação não é mesmo?
    Achava que seus artigos era imparciais…. Achei um dia!

  • Edson Ichihara

    Olá Ana Paula, muito obrigado pela mensagem! Eu realmente desconheço esses fundos, poderia citar até para ajudar os leitores? Realmente eu conheço muitas pessoas que tiveram prejuízo no VGBL e precisei até ajudá-los. Você ajudaria muito nossos leitores se citasse esses fundos! Aliás, eu vi que você trabalha na Mapfre como coordenadora comercial de Previdência (https://br.linkedin.com/in/anadetlinger )! Adoraria que você escrevesse até um artigo sobre esses fundos!

  • Ana Paula Detlinger

    Vou te mandar… qual seu email?

  • Edson Ichihara

    Olá Ana! Que bom que pode me ajudar nesse assunto! Mande para esse email: contato@jornadadodinheiro.com. Muito obrigado!

  • Lea Lopes

    Olá, gostei muito da matéria, sou funcionária de um banco e comercializo bastante esse produto, porque acredito nele.
    Porém as questões que suscitou me abriram os olhos… com certeza irei investigar a respeito, com as perguntas anotadas e repassadas à área responsável.
    No quesito sucessão, acredito ainda que seja a melhor opção a Previdência, quando a pessoa que aplica (normalmente em cidades menores, a matriarca ou patriarca da família), pensando no futuro e no caso de uma emergência somente pensará num resgate. Caso ele não ocorra, e sim por ocasião de sua morte, aí sim entra a situação: o resgate do valor total dividido pelos beneficiários indicados, contando o desconto do IR, é mais viável ao meu ver do que ter que passar toda a grana investida em outro fundo através de um inventário, que, além de mais burocrático, enseja ainda o pagamento de honorários advocatícios, mais a mordida do imposto causa mortis. Sendo assim, os herdeiros se beneficiam mais quando o investidor aplicou tudo em previdência. Concorda?
    Abraço!

  • Edson Ichihara

    Olá Lea, muito obrigado pela mensagem! Obrigado por investigar a respeito! No seu exemplo você se refere ao VGBL né? Eu concordo com esse beneficio, mas aqui no Jornada do Dinheiro eu procuro ajudar as pessoas a investir e eles próprios usufruir dos investimentos! No caso de uma emergencia, uma alternativa mais rentável seria investir diretamente no Tesouro Direto!

  • WilliamVeríssimo Ribeiro

    Edson, parabéns pelos artigos que publica (e ao site Jornada do Dinheiro). A qualidade é muito boa!

    Desde 1994, tenho um Plano de Previdência Privada da empresa em que trabalho e pelas características do mesmo, o considero muito bom. Não há cobrança de taxas de administração, carregamento, saída e etc e a empresa deposita mensalmente uma determinada quantia nas contas dos participantes. O valor depositado pela empresa (que é uma porcentagem do salário dos funcionários) é bem pequeno mas como é constante, depois de vários anos, ajuda bastante! Atualmente, destino 30% do meu salário para a previdência. O plano possui características de um PGBL e o regime de tributação que escolhi há alguns anos, foi o “progressivo”.
    Se no futuro, eu optar por receber uma “renda mensal vitalícia”, e vier a falecer, meus dependentes continuam recebendo esta renda ou optam por receber o saldo remanescente da conta.
    Até hoje tenho dúvida se o regime progressivo foi a melhor escolha. O que você acha? Se possível, dê também sua opinião sobre as características do plano em geral.

  • Edson Ichihara

    Olá William, muito obrigado pelo elogio. Realmente este fundo é muito bom: vc não tem custo, e essa parte da renda vitalicia é boa. Eu só não entendi porque eles usam seu salario para pagar..eles deveriam dar uma parte que não era do seu salario. Precisa ver a rentabilidade, porque esses fundos as vezes é pior q a poupança.. Pelas caracteristica dela, o regime progressivo é bom sim (como tem a clausula da renda mensal vitalicia que passa para os dependentes).

  • WilliamVeríssimo Ribeiro

    Edson, obrigado por responder!

     

      Pelo que já pesquisei, notei que realmente o meu plano de previdência privada é muito bom! Com relação à contribuição que a empresa faz na conta dos funcionários, creio que não me expressei muito bem: foi criada uma tabela (com algumas faixas salariais X valores de contribuição) e a empresa deposita mensalmente estes valores (mesmo que o funcionário tenha interrompido temporariamente seus depósitos), e sem utilizar o salário dele para isto. Por exemplo: para quem tem um salário até R$ 5000,00, a empresa contribui com R$ 100,00, para quem tem um salário de R$ 5001,00 à R$ 6.000,00 a empresa contribui com R$ 110,00, e assim sucessivamente.

      No futuro, quando eu for optar por receber o saldo da conta ou a renda mensal, você acredita que a 2ª opção (renda mensal) seja melhor?

      Neste plano, uma vez por ano, podemos optar por três perfis de investimento: CONSERVADOR (composto por investimento de 100% em Renda Fixa), MODERADO (composto por investimento de 85% em Renda Fixa + 15% em Renda Variável), e AGRESSIVO (composto por investimento de 70% em Renda Fixa + 30% em Renda Variável).       Nos últimos 12 meses a rentabilidade acumulada do perfil Conservador, é de 13,47%, no perfil Moderado 14,55% e no perfil Agressivo 15,86%. Em agosto (setembro ainda não foi divulgado) a rentabilidade mensal dos perfis Conservador, Moderado e Agressivo, ficaram em 1,09%, 1,15% e 1,23% respectivamente.
      Um abraço,

  • Edson Ichihara

    Olá William.. excelente essa previdencia (na verda é um fundo de pensão por ter aporte da sua empresa). Boa rentabilidade também. Como a taxa de juros vai baixar ano que vem, você pode até arriscar um perfil moderado. Ou manter o perfil conservador.. Quanto a renda, é melhor decidir proximo ao vencimento!

  • WilliamVeríssimo Ribeiro

    Olá Edson, eu já o considerava um bom plano de previdência privada mas fico contente em ouvir de alguém de fora (e com conhecimento), esta reafirmação! Eu estava mesmo pensando em mudar para o perfil Moderado, e de vez em quando pensava até mesmo no Agressivo. Mas seria muito risco e aproveitando mais uma vez sua opinião, já enviei a solicitação de mudança para o perfil Moderado no exercício 2017! Grande abraço e mais uma vez, parabéns pelo trabalho!

  • Derek

    Edson, somente se eu escolher renda mensal vitalícia no momento do resgate, perco todo meu investimento se bater com as botas? Tenho um PGBL e não lembro de ter optado por esta cláusula no momento da contratação. Fiquei preocupado.

  • Edson Ichihara

    Olá Derek, muito obrigado pela mensagem. Isso mesmo, a maioria das previdencias privadas funcionam assim.. Antes de decidir pela renda, leia o contrato. Aquelas letras minusculas explicam isso. Você só vai optar isso quando for receber o dinheiro.

  • Derek

    Como planejamento tributário, um PGBL é sim um ótimo investimento, desque que se pesquise fundos fora dos grandes bancos, cujos rendimentos sejam próximos ou superiores ao CDI. Com uma conta simples, você salva um capital de ser taxado por 27,5% na declaração do ano, aplica sem come cotas e sem IR semestral por 10 anos e é tributado com 10% no resgate. Alguém discorda?

  • Edson Ichihara

    Olá Derek, muito obrigado pela mensagem. O ideal é não passar de 12 % do valor total a restituir. Na verdade, esse valor que você recebe novamente, você paga no futuro sobre o valor total. Você pode fazer essa estrategia, mas existem outras com mais rentabilidade. Por exemplo, sabia que se o gestor do seu fundo de previdencia privada falir, você perde todo o investimento? Não tem garantia do FGC. E geralmente os rendimentos são bem baixos. Se você investir em Tesouro Selic, CDB com 100 % CDI, Tesouro IPCA, ações e FIIs conseguirá melhor rendimento.

  • Derek

    Olá Edson, volto a insistir, o benefício fiscal compensa se não resgatar o valor aportado em menos de 10 anos. Este cálculo está bem explicado no capítulo 9 do livro do Cerbasi. Basta ver a tablea do IR da declaração. Se todo valor que você depositou na previdência estiver na faixa dos 27,5% da base de cálculo, você só será tributado em 10% se resgatar depois de 10 anos. Perceba que a tabela penaliza em 35% quem resgata depois de 1 anos. Aí sim há perdas. Some-se a isto o fato de não haver come cotas períodicos do IR, permitindo que o montante continue capitalizando. Procurando fundos com bons rendimentos, volto a insistir, o PGBL é sim uma opção de Investimento.

  • Derek

    Apenas como sugestão, se vc está fazendo uma previdência pra sua filha de 10 anos, eu escolheria títulos do Tesouro (segurança) ou então pensaria num PGBL (ou VGBL) em seu nome tendo ela como beneficiária pois em caso de morte o beneficiário resgata imediatamente sem passar por inventário.

  • Edson Ichihara

    Olá Derek. As regras dos impostos da previdencia privada é essa: https://www.receita.fazenda.gov.br/PessoaFisica/IRPF/2014/perguntao/perguntas/pergunta-171.html . O ideal é não passar dos 12 % da renda tributavel para que vc possa restituir. No modelo regressivo, vc não pode declarar o ganho no resgate por ser tributação na fonte. No caso do modelo progressivo, você poderia (e se depender do caso, até não pagar imposto de renda). Como a tributação é feita sobre o total no resgate, você pagará um imposto mais caro. Você pode até investir no PGBL, mas existem outros investimentos mais seguros e mais rentaveis. A escolha é de cada um.

  • Gabriel Mendonça

    Edson acompanho aqui há um bom tempo é a primeira vez que comento, bem eu trabalhava até dois meses atrás numa empresa de previdência privada, não vou falar o nome por ética, mas é a maior previdência privada do país, enfim gostaria de apontar que faltou algumas informações na questão da aposentadoria. Realmente a renda Vitalícia se você vier a falecer não é repassado para benefíciario, porém essa é apenas uma das rendas disponíveis , você pode escolher a renda Vitalícia com prazo mínimo garantido( se vc falacer em até x anos a renda é revertida para o beneficiário até o término do prazo estipulado) renda vitalícia reversível ao conjuge com continuidade aos filhos menores, entre outras. Aqui estão no site da SUSEP ( http://www.susep.gov.br/menu/informacoes-ao-publico/planos-e-produtos/previdencia-complementar-aberta ). Olha realmente eu digo previdência só vale a se não houver taxa de carregamento é taxa de administração abaixo de 1℅, a questão é que os bancos só dão essas vantagens pra clientes alta renda que tenham milhões investidos nos bancos. Infelizmente o que mais ocorre são pessoas são pessoas de pouca instrução que vão até os bancos, daí os funcionários empurram nelas as previdências, a pessoa contribui com 50 reais por mês, sendo que está perdendo com taxa de carregamento de 2℅ fora ainda o preço do seguro que vem junto no plano (Pecúlio), aí dos 50 reias só entra no plano uns 40 reias, fora a taxa de administração de 3℅ ao ano. Eu não sei se os funcionários só fazem isso pra fazer meta ou se são desinformados sobre os produtos que vendem, não julgo eles porque sei que há pressão da gerência para bater metas, infelizmente com a falta de educação financeira da população quem sofre é a própria população. Triste também é a propaganda que a mídia faz sobre esses planos, agora com a reforma da previdência social os aportes a contratação aumentou.

  • Gabriel Mendonça

    Na prática a única coisa que você está fazendo a postergando o imposto de renda , porque o PGBL você é tributado sobre o saldo total e não só sobre os rendimentos. Se você for pensar que daqui a 30 anos de contribuição você vai ter um investimento grande , talvez o IR sobre esse saldo total não compensa esse tempo todo que você obteve de benefício fiscal.

  • Gabriel Mendonça

    Realmente a renda Vitalícia se você vier a falecer não é repassado para benefíciario, porém essa é apenas uma das rendas disponíveis , você pode escolher a renda Vitalícia com prazo mínimo garantido( se vc falacer em até x anos a renda é revertida para o beneficiário até o término do prazo estipulado) renda vitalícia reversível ao conjuge com continuidade aos filhos menores, entre outras. Aqui estão no site da SUSEP ( http://www.susep.gov.br/menu/informacoes-ao-publico/planos-e-produtos/previdencia-complementar-aberta )

  • Gabriel Mendonça

    Derek VC só ontem benéficio fiscal sobre as contribuições que vc fez no ano, logo todo ano vc vai ter que contribuir, lá na frente depôs de 10 anos se vc resgatar ou se aposentar VC será tributado sobre o valor total , o IR vai incidir sobre o valor total (contribuições + juros compostos) , é isso pode não compensar o benefício fiscal que vc obteve todos os anos somente sobre o valor da contribuição , na prática postergou o imposto, compreende?

  • Edson Ichihara

    Olá Gabriel! muito obrigado pela mensagem e esclarecimento. Infelizmente, para a maioria dos brasileiros o investimento em previdencia privada não vale a pena. É claro que há boas previdencias, mas com aportes minimos de 1 milhão de reais. Por isso que eu me motivei a esclarecer para os leitores os investimentos mais adequados para a renda deles, como o Tesouro Direto. Agradeço muito a mensagem! E obrigado pela explicação sobre renda vitalicia! O problema é que as pessoas não conversam com os já aposentados. Vejo muita gente que pagou previdencia por 20 anos e agora receberá um valor pequeno e ainda vai ter que fazer novos aportes!

  • Gabriel Mendonça

    Eu quem agradeço pelo seu trabalho aqui no site continue assim por favor , um ótimo 2017 !

  • Paulo Lucio Oliveira Junior

    Muito bom o texto, Edson. Com relação a previdência privada, sugiro que leiam: http://guiamonetario.blogspot.com/2016/12/crie-uma-previdencia-privada-voce-mesmo.html

  • Marcelo Silva

    Derek, nada disso! você pode deixar para até quatro dependentes, informando a porcentagem para cada um. Além disso há ótimas opções de planos de previdência multimercado. Eu pago o IRPF 27,5%, e fiz os cálculos de topo o período de contribuição, é sim vantajoso. E o plano multimercado tem valorizado bastante. Estou satisfeito.

  • Clovis C Abumrad

    Tambem achei o texto excelente, Edson. Porém, tenho ressalvas à afirmação de que nos planos progressivos a tributação é de apenas 15% em caso de regate antecipado. Segundo informação que tive há tempos de um gerente do banco, qualquer resgate, parcial ou total, é tributado em 15% NA FONTE, a titulo de antecipação, mas depois voce deve incluir o o valor do resgate em sua declaração anual do Imposto de Renda, onde será feito o ajuste, e aí a mordida poderá ser maior.

  • Leonardo Walker

    Nem o banco fala que é investimento. O próprio nome já informa : PREVIDÊNCIA privada, em oposição à previdência publica. Inclusive, na previdência pública não existe caixa do seu pagamento mensal e vc não pode nem mesmo resgatar parte do dinheiro, se quiser.

  • Reinaldo Freitas

    Boa tarde a todos! gostaria de informar que os planos de Previdência tem as mesmas e principais características dos investimentos rentabilidade atrelada a papeis e índices financeiros e também Imposto de renda sobre a rentabilidade apenas no caso “VGBL”.
    Além de o cliente poder se beneficiar de garantias que os fundos convencionais de mercado não oferecem, já por outro lado o “PGBL” que embora tenha rentabilidade também através de papeis e índices, o foco realmente é de incentivo fiscal e converção da reserva em uma renda Aposentadoria ou seja plano de aposentadoria Privada .
    Obs. Realmente os fundos de Previdência são fiscalizados pela Susep. mas não quer dizer que não seja também um investimento que ao meu entender com mais garantias e para todos os gostos desde o cliente mais conservador até o mais agressivo, para quem quer apenas Investimentos e para quem quer Aposentadoria, sou especialista em Fundos investimentos e Fundos de Previdência Privada a 25 anos e nunca vi tanta besteira!!!!!! é apenas uma questão de leitura e análise de características, está sendo comparado tesouro direto com Previdência, isso não existe!!!! para efeito de comparação deve-se comparar produtos com as mesmas característica, tesouro direto é um Produto e Previdência é outro, bem como os fundos de renda fixa de ações e ETC…………….

  • Reinaldo Freitas

    Ressalvas: Percebi que existe muitas informações faltando e equivocadas entre os leitores, sugiro que busquem mais a fundo as informações e cuidado com as fontes.

  • Lilian

    Reinaldo, Boa noite! Acredito que o texto esteja se referindo aos planos de previdência oferecidos por grandes bancos, que geralmente tem taxas de administração e txs de carregamento que acabam “comendo” boa parte da rentabilidade. Além disso, são produtos diferentes porém, sob a mesma visão que é investimento. Por favor, te peço uma ajuda nessa questão. Estou buscando a melhor viabilidade de investimento considerando fundo de previdência através de seguradora x investir por mim mesma. Entendo que os fundos são geridos em sua maioria por renda fixa e o restante, fica a critério do gestor. Me foi apresentado uma rentabilidade média 15% a.a sem taxa de carregamento e com tx de adm 1,1%… qual sua opinião ? esta rentabilidade me pareceu ilusória de tão alta…

  • Luiz Antonio Varella

    Lilian, a rentabilidade não parece ilusória, ela realmente pode acontecer. Porém risco e rentabilidade caminham lado a lado. Escolhi um fundo multimercado para a minha (ADAM PREVIDENCIÁRIO ICATU MASTER FUNDO DE INVESTIMENTO MULTIMERCADO), e a rentabilidade acumulada nos ultimos 12 meses está 23,01%. Mas eu entendo que daqui uns anos, posso abrir o extrato e me deparar com número baixissimo. O importante é voce entender a proposta do fundo e confiar no trabalho do gestor. Mas essa foi a minha estratégia, já tenho amigos que preferem manter a prev em fundos de gestão passiva.

  • Luiz Antonio Varella

    E outra coisa, taxa de administração também é relativa. No meu caso estou pagando 2,0% a.a., justamente por ser um fundo de gestão ativa. Só não faz sentido contratar um produto com alta taxa e baixa rentabilidade.