A NOVA POUPANÇA

nova_poupanca

A nova poupança

Não, a caderneta de poupança não teve alteração recente em suas regras.

E também não falarei sobre as regras da poupança em vigor desde 2012 (que é conhecida como nova poupança).

O objetivo deste artigo é mostrar o instrumento que veio para substituir, de uma vez por todas, a poupança: o Tesouro Selic (LFT) criado pelo Tesouro Direto.

O que é o Tesouro Direto?

São títulos públicos negociados pelo governo federal.

Esses títulos são a forma de o governo captar recursos e, em troca, ele oferece a devolução do valor emprestado com juros.

Há, basicamente, três tipos de títulos disponíveis para compra: atrelados à Selic, atrelados ao IPCA (com ou sem cupons) e prefixados (com ou sem cupons).

Discutiremos melhor os outros tipos de títulos em outra oportunidade, mas, neste artigo, o foco será no Tesouro Selic.

Tesouro Selic (LFT)

Esse título é atrelado à taxa Selic (que é a taxa básica de juros do Brasil) e acompanha seu valor anual.

Como a Selic hoje está em 13,25%, isso significa que seu título tem o rendimento de 13,25% ao ano (sem descontar impostos e outras taxas envolvidas).

A poupança não tem custo e nem dedução de impostos. Por que passar a pagar esses valores?

Normalmente, há duas taxas para o Tesouro Direto:
– Taxa de custódia da BM&F Bovespa: 0,3% ao ano do valor total investido, cobrado semestralmente, no primeiro dia útil de cada semestre.
– Taxa de custódia da instituição financeira escolhida por você. Nesse caso, há algumas instituições que não cobram essa taxa. Consulte aqui.

Além dessas taxas, também há incidência do imposto de renda no resgate do título, que segue a tabela de alíquota regressiva:
– 22,5% para resgate em até 6 meses
– 20,0% para resgate entre 6 e 12 meses
– 17,5% para resgate entre 1 e 2 anos
– 15,0% para resgate após 2 anos

É importante lembrar que a porcentagem do IR só recai sobre o lucro da operação, ou seja, o valor inicial investido está garantido.

Caso seja resgatado antes de 30 dias, também há o pagamento do IOF.

De fato, a poupança é o instrumento mais simples, mas também o menos rentável.

Para efeitos comparativos, a poupança paga hoje um rendimento anual próximo de 7%. O Tesouro Selic, pagando o maior imposto (22,5%) e considerando 0,4% em taxas, ainda assim pagaria cerca de 10% ao ano.

Na poupança, consigo sacar meu dinheiro a hora que quiser.

Graças à nova regra do Tesouro Direto, isso já não é mais um problema.

Desde o início de abril, o Tesouro Nacional permite compra e venda de títulos diariamente (anteriormente, só era possível vender às quartas-feiras).

O único porém é que a liquidação se dá apenas no dia seguinte, ou seja, você vende hoje e pode resgatar o valor somente amanhã.

No entanto, com um planejamento razoável, isso nunca será um problema.

É importante observar que o Tesouro Selic é o único título que garante resgate com lucro antes do vencimento do título, pois os demais tipos variam a mercado.

Não tenho dinheiro suficiente para isso. Investir é só para os ricos.

Está na hora de parar com essas desculpas.

Mais uma alteração do Tesouro Direto agora permite o investimento em apenas 1% do valor do título.

Um título de Tesouro Selic está custando atualmente quase R$ 7.000,00. Isso significa que é possível investir com R$ 70,00.

Na semana passada, apliquei em 0,01 título (1%) com o valor de R$ 67,75.

Veja o extrato do meu próprio investimento:
LFT 0,01

Esses títulos não são muito arriscados?

Você está emprestando dinheiro ao governo.

Antes de o governo não conseguir honrar seus compromissos, os bancos já terão sumido com a poupança e o FGC já terá quebrado.

O governo é a instância máxima e, consequentemente, o menor risco de crédito.

Mas há juros compostos nesses títulos se eu decidir investir em títulos separados?

Claro que sim. O que importa é o montante total investido.

Pouco importa se você tem R$ 10.000,00 investidos em um único título que paga R$ 100,00 ao mês ou se você tem R$ 1.000,00 em 10 títulos diferentes, que pagam R$ 10,00 cada um. Você receberá R$ 100,00 em ambos os casos.

Aí esses R$ 100,00 que valorizaram em cada um de seus títulos se somarão ao seu dinheiro total e a nova valorização cairá em cima desse montante, gerando, assim, seus juros compostos.

Outra vantagem desses títulos é que a rentabilidade é diária, ou seja, todos os dias há uma pequena valorização.

Na poupança, você deve esperar completar 1 mês para receber a valorização daquele mês e, caso tire antes do prazo, ficará sem o reajuste.

De coadjuvante a estrela

Antes da alteração da regra em abril, o Tesouro Selic era pouco utilizado pelos investidores por ser o título com menor rentabilidade.

No entanto, devido à sua versatilidade atual, cada vez mais ganha espaço nas carteiras de investimentos.

Versatilidade

Sempre que investimos em algum ativo, devemos atribuir uma função para ele dentro da carteira.

De modo geral, a renda fixa tem como função principal a proteção do patrimônio em relação à inflação. As ações têm a função de multiplicação do patrimônio, enquanto os fundos imobiliários são geradores de renda mensal.

Nada impede de estender essas funções dentro de cada modalidade de ativo, mas essa discussão ficará para outra oportunidade.

O que torna o Tesouro Selic tão versátil é exatamente sua capacidade de servir para diversos propósitos.

Objetivos de curto prazo: se você pretende sacar o dinheiro para um objetivo de curto prazo, o Tesouro Selic é a melhor opção por não ter o risco de resgate antecipado com desvalorização.

Fundo de emergência: serve para guardar determinado valor que talvez precise em eventuais emergências.

Capital de giro: rentabilizar o dinheiro movimentado em curto prazo. Por exemplo, você não precisa ter o valor de sua fatura do cartão de crédito a todo momento disponível, certo? Basta resgatar o montante exato uns 3 dias antes do vencimento e realizar o pagamento. Isso terá feito o dinheiro render por mais 30 dias do que o normal, fazendo com que parte da sua fatura tenha sido paga com parte do rendimento.

Aguardar oportunidades de mercado: também um excelente ativo para deixar o dinheiro separado (e rendendo) para captar oportunidades de mercado. Às vezes, você está de olho em um imóvel e está só esperando pintar a boa oportunidade. Está querendo abrir um negócio, mas ainda não está com o plano todo pronto. Quer comprar aquela ação, mas acha que ela ainda vai cair mais.

Considerações finais

Sem dúvidas, este é o ativo mais versátil do mercado e com uma rentabilidade muito superior à da poupança.

É o investimento ideal para quem deseja perder, de uma vez por todas, o medo de investir.

Comece com pouco, mas comece agora!

O primeiro passo é abrir a conta em uma corretora. Veja aqui como escolher a melhor para seu perfil.

Caso queira saber mais, recomendamos o excelente conteúdo Tesouro Direto Descomplicado do Rafael Seabra, com tudo que você precisa saber sobre Tesouro Direto e dar o próximo passo. Saiba mais nesse link.

Não deixe também de se inscrever gratuitamente no Mini-Curso Tesouro Direto, agora todo em vídeo!

Caso tenha ficado alguma dúvida no ar, deixe um comentário. Caso você já invista e usa o Tesouro Selic de outra maneira, deixe um comentário dando sua dica também!

Grande abraço e bons investimentos!

Vitor Hernandes