A NOVA POUPANÇA

nova_poupanca

A nova poupança

Não, a caderneta de poupança não teve alteração recente em suas regras.

E também não falarei sobre as regras da poupança em vigor desde 2012 (que é conhecida como nova poupança).

O objetivo deste artigo é mostrar o instrumento que veio para substituir, de uma vez por todas, a poupança: o Tesouro Selic (LFT) criado pelo Tesouro Direto.

O que é o Tesouro Direto?

São títulos públicos negociados pelo governo federal.

Esses títulos são a forma de o governo captar recursos e, em troca, ele oferece a devolução do valor emprestado com juros.

Há, basicamente, três tipos de títulos disponíveis para compra: atrelados à Selic, atrelados ao IPCA (com ou sem cupons) e prefixados (com ou sem cupons).

Discutiremos melhor os outros tipos de títulos em outra oportunidade, mas, neste artigo, o foco será no Tesouro Selic.

Tesouro Selic (LFT)

Esse título é atrelado à taxa Selic (que é a taxa básica de juros do Brasil) e acompanha seu valor anual.

Como a Selic hoje está em 13,25%, isso significa que seu título tem o rendimento de 13,25% ao ano (sem descontar impostos e outras taxas envolvidas).

A poupança não tem custo e nem dedução de impostos. Por que passar a pagar esses valores?

Normalmente, há duas taxas para o Tesouro Direto:
– Taxa de custódia da BM&F Bovespa: 0,3% ao ano do valor total investido, cobrado semestralmente, no primeiro dia útil de cada semestre.
– Taxa de custódia da instituição financeira escolhida por você. Nesse caso, há algumas instituições que não cobram essa taxa. Consulte aqui.

Além dessas taxas, também há incidência do imposto de renda no resgate do título, que segue a tabela de alíquota regressiva:
– 22,5% para resgate em até 6 meses
– 20,0% para resgate entre 6 e 12 meses
– 17,5% para resgate entre 1 e 2 anos
– 15,0% para resgate após 2 anos

É importante lembrar que a porcentagem do IR só recai sobre o lucro da operação, ou seja, o valor inicial investido está garantido.

Caso seja resgatado antes de 30 dias, também há o pagamento do IOF.

De fato, a poupança é o instrumento mais simples, mas também o menos rentável.

Para efeitos comparativos, a poupança paga hoje um rendimento anual próximo de 7%. O Tesouro Selic, pagando o maior imposto (22,5%) e considerando 0,4% em taxas, ainda assim pagaria cerca de 10% ao ano.

Na poupança, consigo sacar meu dinheiro a hora que quiser.

Graças à nova regra do Tesouro Direto, isso já não é mais um problema.

Desde o início de abril, o Tesouro Nacional permite compra e venda de títulos diariamente (anteriormente, só era possível vender às quartas-feiras).

O único porém é que a liquidação se dá apenas no dia seguinte, ou seja, você vende hoje e pode resgatar o valor somente amanhã.

No entanto, com um planejamento razoável, isso nunca será um problema.

É importante observar que o Tesouro Selic é o único título que garante resgate com lucro antes do vencimento do título, pois os demais tipos variam a mercado.

Não tenho dinheiro suficiente para isso. Investir é só para os ricos.

Está na hora de parar com essas desculpas.

Mais uma alteração do Tesouro Direto agora permite o investimento em apenas 1% do valor do título.

Um título de Tesouro Selic está custando atualmente quase R$ 7.000,00. Isso significa que é possível investir com R$ 70,00.

Na semana passada, apliquei em 0,01 título (1%) com o valor de R$ 67,75.

Veja o extrato do meu próprio investimento:
LFT 0,01

Esses títulos não são muito arriscados?

Você está emprestando dinheiro ao governo.

Antes de o governo não conseguir honrar seus compromissos, os bancos já terão sumido com a poupança e o FGC já terá quebrado.

O governo é a instância máxima e, consequentemente, o menor risco de crédito.

Mas há juros compostos nesses títulos se eu decidir investir em títulos separados?

Claro que sim. O que importa é o montante total investido.

Pouco importa se você tem R$ 10.000,00 investidos em um único título que paga R$ 100,00 ao mês ou se você tem R$ 1.000,00 em 10 títulos diferentes, que pagam R$ 10,00 cada um. Você receberá R$ 100,00 em ambos os casos.

Aí esses R$ 100,00 que valorizaram em cada um de seus títulos se somarão ao seu dinheiro total e a nova valorização cairá em cima desse montante, gerando, assim, seus juros compostos.

Outra vantagem desses títulos é que a rentabilidade é diária, ou seja, todos os dias há uma pequena valorização.

Na poupança, você deve esperar completar 1 mês para receber a valorização daquele mês e, caso tire antes do prazo, ficará sem o reajuste.

De coadjuvante a estrela

Antes da alteração da regra em abril, o Tesouro Selic era pouco utilizado pelos investidores por ser o título com menor rentabilidade.

No entanto, devido à sua versatilidade atual, cada vez mais ganha espaço nas carteiras de investimentos.

Versatilidade

Sempre que investimos em algum ativo, devemos atribuir uma função para ele dentro da carteira.

De modo geral, a renda fixa tem como função principal a proteção do patrimônio em relação à inflação. As ações têm a função de multiplicação do patrimônio, enquanto os fundos imobiliários são geradores de renda mensal.

Nada impede de estender essas funções dentro de cada modalidade de ativo, mas essa discussão ficará para outra oportunidade.

O que torna o Tesouro Selic tão versátil é exatamente sua capacidade de servir para diversos propósitos.

Objetivos de curto prazo: se você pretende sacar o dinheiro para um objetivo de curto prazo, o Tesouro Selic é a melhor opção por não ter o risco de resgate antecipado com desvalorização.

Fundo de emergência: serve para guardar determinado valor que talvez precise em eventuais emergências.

Capital de giro: rentabilizar o dinheiro movimentado em curto prazo. Por exemplo, você não precisa ter o valor de sua fatura do cartão de crédito a todo momento disponível, certo? Basta resgatar o montante exato uns 3 dias antes do vencimento e realizar o pagamento. Isso terá feito o dinheiro render por mais 30 dias do que o normal, fazendo com que parte da sua fatura tenha sido paga com parte do rendimento.

Aguardar oportunidades de mercado: também um excelente ativo para deixar o dinheiro separado (e rendendo) para captar oportunidades de mercado. Às vezes, você está de olho em um imóvel e está só esperando pintar a boa oportunidade. Está querendo abrir um negócio, mas ainda não está com o plano todo pronto. Quer comprar aquela ação, mas acha que ela ainda vai cair mais.

Considerações finais

Sem dúvidas, este é o ativo mais versátil do mercado e com uma rentabilidade muito superior à da poupança.

É o investimento ideal para quem deseja perder, de uma vez por todas, o medo de investir.

Comece com pouco, mas comece agora!

O primeiro passo é abrir a conta em uma corretora. Veja aqui como escolher a melhor para seu perfil.

Caso queira saber mais, recomendamos o excelente conteúdo Tesouro Direto Descomplicado do Rafael Seabra, com tudo que você precisa saber sobre Tesouro Direto e dar o próximo passo. Saiba mais nesse link.

Não deixe também de se inscrever gratuitamente no Mini-Curso Tesouro Direto, agora todo em vídeo!

Caso tenha ficado alguma dúvida no ar, deixe um comentário. Caso você já invista e usa o Tesouro Selic de outra maneira, deixe um comentário dando sua dica também!

Grande abraço e bons investimentos!

Vitor Hernandes

  • Edson Ichihara

    Excelente artigo Vitor! Agora não tem mais desculpa para deixar o dinheiro na poupança!

  • Yago Lopes

    Gostei do artigo. Claro e objetivo.

  • Pedro C

    Legal, O Tesouro Selic serviria para guardar aquele recurso que fica parado na conta corrente, para resgate no curtíssimo prazo, por exemplo, após 30 dias da data de aplicação? Se eu resgatar nesse período perco dinheiro?

  • Obrigado, Yago!

  • Fala, Pedro!

    Ele é uma ótima alternativa em relação à poupança, especialmente após 30 dias. No entanto, mesmo dentro dos 30 dias, ele tem rentabilidade superior, pois a poupança renderia zero.

    Quanto à perda de dinheiro, vamos por partes. Dê uma olhada nesta tabela do site do Tesouro: http://www3.tesouro.gov.br/tesouro_direto/consulta_titulos/consultatitulos.asp

    Repare que o preço de compra é sempre superior ao preço de venda. Portanto, um título que você comprar hoje, caso queira vender amanhã, só poderia ser feito com prejuízo, pois o preço de venda ainda não teria alcançado o preço pelo qual você comprou.

    Cerca de 5 a 7 dias após a aplicação, o valor de venda consegue alcançar e, depois, superar o valor pelo qual você comprou. E seguirá sempre valorizando, sem risco de perda a partir daí.

    Dentro do período de 30 dias também é importante notar que há o pagamento de IOF sobre a rentabilidade (além do IR que é pago para qualquer período).

    Portanto, o ideal seria conseguir manter esse investimento por pelo menos 30 dias e, por isso, eu disse que serve bem para pagamentos de cartão de crédito. Por exemplo, você recebe o salário no dia 5, aplica no Tesouro Selic e paga a fatura do cartão apenas no mês seguinte. O ideal é acumular um valor de giro interessante no Tesouro Selic, para que o resgate que você faça para o pagamento do cartão pegue sempre títulos comprados há mais de 30 dias.

    Dê uma lida neste artigo para entender o funcionamento da precificação do Tesouro Selic:
    http://jornadadodinheiro.com/2015/05/18/sera-que-levei-calote-do-tesouro/

    Qualquer outra dúvida, é só falar! Bons investimentos!

  • Valeu, Edson! De fato, após essa nova regra do Tesouro, não deixo mais nada na poupança!

  • Fabio Henrique

    Não sei se vc reparou, mas seu post pode ter servido de inspiração para a corretora gourmet http://www.xpi.com.br/blog/artigos/tesouro-direto-nova-poupanca.aspx

  • Edson

    Boa noite Vitor. Gostaria de efetuar um comentário sobre a informação abaixo. Com 07 dias no TD há a incidência de 76% de IOF sobre o rendimento + 22,5% de IR o que acabaria com qualquer chance de ganho. Entendo que a LFT só valeria a pena após 30 dias pelo menos. Antes disto iria ser muito baixo o lucro.
    Mas realmente é uma excelente opção para reserva de emergência , onde mantenho um montante, pela liquidez diária. Só um CDB com liquidez diária acima de 97% equivaleria.
    abs
    abs

  • Fala, Fabio!

    Muito legal sua observação. Eu ficaria realmente muito feliz se tivessem copiado a minha ideia, pois significa que é um conteúdo de qualidade!

    Obrigado por comentar e bons investimentos!

  • Fala, Edson!

    Comentário muito pertinente!

    De fato, com 7 dias, o ganho é mínimo, mas ainda assim superior à poupança (já que ela não teria valorização nenhuma). Porém, a intenção não é retirar o investimento em uma semana, e sim deixar pelo menos 1 mês e, se possível, mais de 2 anos para pagar o menor IR.

    É claro que ele pode servir para vários objetivos, como mencionado no artigo, e aí o resgate vai depender justamente disso.

    Um CDB de liquidez diária faria muito bem esse papel também. A questão é comparar as rentabilidades para saber qual valeria mais a pena. Na verdade, o rendimento do Tesouro Selic equivale a pouco mais de 100% do CDI, uma vez que ambas as taxas (Selic e CDI) são bem próximas.

    Obrigado pela colaboração!

    Grande abraço e bons investimentos!

  • Henrique Malvão

    Olá Vitor, comecei a pesquisar sobre tais investimento hoje mesmo em grupos e neste site, que por sinal é MUITO bom. Tenho uma pequena quantia na poupança, que infelizmente não rende nada, e li por aqui e em outros lugares que o Tesouro Selic é uma boa alternativa para rendimentos. Por exemplo, tenho 2k na minha poupança que normalmente não mexo para nada, apenas deposito mais todo mês. É uma boa iniciativa tirar da poupança e investir na Selic e deixar rendendo mas tendo a possibilidade de retirar quando for preciso?

  • Olá, Henrique!

    Muito obrigado pelo elogio!

    Considero o Tesouro Selic uma excelente opção para você começar a se libertar da poupança. Nesse título, seu dinheiro terá rentabilidade diária e sem risco de prejuízo. Se ainda não estiver confortável, faça um teste com pequena parte de seu capital e deixe por um mês para ver como ele estará. Aos poucos, você vai pegando mais confiança e estudando outros tipos de ativos.

    Parabéns por começar a pensar em formas melhores de tratar seu dinheiro!

    Qualquer dúvida, é só entrar em contato!

    Grande abraço!

  • Carlos Rodrigues

    Excelente matéria! Estudo TD há algum tempo e seu modo de explicar, melhorou meus horizontes!

  • Kennedy Linhares

    Olá Vitor, muito obrigado pelo artigo! Desculpa fazer isso, mas só verificar se eu entendi direitinho, porque essa semana quero começar a investir e sair da poupança!
    A LFT é um título pós-fixado se tudo for maravilhoso no futuro e a Selic cair então vai render menos, certo? Logo minha rentabilidade futura é desconhecida, mas se eu manter o título até o vencimento existe a possibilidade de ter prejuízos ou é impossível? Tenho planos para uma viagem international em 2021/2022, invisto em LTN ou LFT? Ou em ambas? Muito obrigado!

  • Fala, Carlos!

    Desculpe por não ter respondido antes. Não tinha visto sua mensagem.

    Mas espero que o artigo tenha realmente ajudado!

    Também participe do nosso grupo de discussão no Facebook:
    https://www.facebook.com/groups/662338143896292/

    Você pode fazer perguntas, dar sugestões e ler dúvidas já respondidas para acumular ainda mais conhecimento.

    Grande abraço!

  • Fala, Kennedy! Tudo certo?

    Sim, quando a Selic cair, a rentabilidade da LFT diminuirá, mas nunca será negativa. Será uma rentabilidade menor, mas sempre positiva, mesmo se você precisar vender antes do vencimento. Por isso é o título que eu indico como substituto da poupança. Meu artigo de ontem fala justamente do uso da LFT como reserva de emergência, dê uma olhada: http://jornadadodinheiro.com/poupar/como-montar-sua-reserva-de-emergencia/

    Por outro lado, a LTN pode gerar prejuízos caso você venda antes do vencimento. Se mantiver até o vencimento, receberá exatamente a taxa contratada, mas o cuidado que se deve ter é se essa taxa se manterá acima do valor da inflação. Caso contrário, você poderá perder poder de compra.

    Para seu plano de viagem em 2021/2022, eu daria preferência, inclusive, à NTNB Principal 2019, pois as taxas estão muito boas e garantem o rendimento acima da inflação. Cuidado apenas no período até o vencimento, pois ela também oscila e pode gerar prejuízo ou um lucro maior ainda.

    Eu optaria então por investir parte em LFT e parte em NTNB Principal 2019. Acho LTN mais arriscado para o momento atual.

    Espero que tenha ajudado!

    Aproveito também para convidá-lo a participar do nosso grupo de discussão no Facebook:
    https://www.facebook.com/groups/662338143896292/

    Você pode fazer perguntas, dar sugestões e ler dúvidas já respondidas para acumular ainda mais conhecimento.

    Grande abraço!

  • Kennedy Linhares

    Muito obrigado pelas dicas Vitor! Desculpa porque conheci o site essa semana, então não tive hábil pra ler as postagens, contudo já fiz a assinatura e entre no grupo de discussão pra acompanhar. O artigo sobre reserva de emergência tá muito bom! Então investindo na LFT e NTNB Principal eu mantenho o meu poder de compra o que não pode ocorrer com a LTN, certo?

  • Não se preocupe, faça perguntas à vontade! 🙂

    Como a LFT é atrelada à Selic, que sempre se mantém acima da inflação, seu poder de compra não é comprometido.

    Na NTNB, como ela tem uma taxa e mais a variação do IPCA, você tem uma proteção acima da inflação também, embora em cenários com inflações exorbitantes possa haver alguma perda por causa do desconto do imposto de renda que incide sobre a parcela do IPCA também.

    Já a LTN trava sua rentabilidade. Por exemplo, se você compra agora a 15% ao ano e a inflação passa de 15%, significa que você perdeu poder de compra. Ela é boa para travar uma rentabilidade alta e manter quando a economia começar a se estabilizar, que aí a inflação cai e o seu ganho fica bem superior, mas não é o caso atual.

    Grande abraço!

  • Kennedy Linhares

    Agora eu entendi tudo! Muito obrigado Vitor, você me esclareceu tudo! Agora já posso tirar meu dinheiro da poupança! Abraço!

  • Excelente, Kennedy!

  • Janete Barbosa

    Ótimas dicas, comecei a estudar e a investir a 6 meses, mas com suas dicas tem sido cada dia mais fácil… Obrigada.

  • Muito legal poder ler isso, Janete! Saber que estamos conseguindo ajudar as pessoas é muito gratificante!

    No que começou a investir? Tesouro Direto?

    Grande abraço!

  • Janete Barbosa

    Sim, Tesouro direto, estou lendo, estudando muito a respeito… Obrigada por colaborar…

  • então quer dizer que os juros seriam depositados na conta se quisesse reinvestir teria que ser manual?

  • Fala, Dan!

    Os juros do Tesouro Selic valorizam sobre seu valor investido. Eles não são depositados na conta.

    Então, por exemplo, você começou com 1k e valorizou 10 reais no mês.

    Agora você tem 1.010 e a valorização gerada é em cima desse valor.

    Grande abraço!

  • Lala

    Uma pergunta de uma pessoa ignorante no assunto…pagamos IR no resgate,porém não pagamos esse IR ao sacar da Poupança,correto?

  • Oi, Lala!

    A caderneta de poupança é isenta de IR.

    Já o Tesouro Selic tem a incidência de acordo com aquela tabelinha descrita no artigo.

    Porém, mesmo com IR, a rentabilidade fica muito acima da caderneta.

    Se tiver qualquer outra dúvida, é só perguntar!

    Grande abraço!

  • Saulo Nachef

    Vitor, tudo bem ? Cada hora que leio me interesso mais sobre o Tesouro Selic heheheh. Mas tenho dúvidas:

    – Gostaria de guardar e ter rentabilidade para o pagamento do imóvel. Se eu deixar um valor por 5 anos, seria vantajoso ?
    – Sempre o Tesouro Selic terá vantagem sobre a poupança ? (em rendimentos)
    – Qual o prazo mais longo do Tesouro Selic ?

    Abçs e obrigado

  • Vitor Shimada Hernandes

    Fala, Saulo!

    O Tesouro Selic é mais interessante para objetivos de curto prazo, que você não saiba exatamente quando precisará resgatar, e também para reserva de emergência.

    Para 5 anos, existem opções mais interessantes, como CDBs de bancos menores.

    Para conseguir comprar um imóvel em 5 anos, a maior parte (ao menos uns 80%) deverá ser por dinheiro próprio. A rentabilidade em um Tesouro Selic por 5 anos não é tão boa assim.

    Ele dará cerca de 50% no período, mas devemos lembrar que, no começo, você terá investido pouco, então a rentabilidade não será sobre o seu montante total que você conseguirá guardar até o final dos 5 anos. A menos que você já tenha um valor significativo para investir, aí será mais interessante.

    Com relação à poupança, o Tesouro Selic passa a ser mais vantajoso a partir de 6 meses de aplicação. Se você fosse resgatar antes de 6 meses, poderia deixar na poupança mesmo, até pela maior facilidade.

    Cada título tem uma data de vencimento. No momento, o Tesouro Selic está com vencimento em 2023. De tempos em tempos, são disponibilizados títulos com novos vencimentos.

    Espero que tenha ajudado. Caso tenha ficado alguma dúvida, fique à vontade para perguntar.

    Grande abraço!

  • Breno Coimbra

    Fala Vitor, beleza?
    Então, sou bem n00b e nunca investi em nada além de poupança, mas queria sua ajuda, por favor…eu tenho um imóvel no valor de R$160 mil que está no momento sendo alugado a apenas R$700,00 por mês. Não seria mais vantajoso eu vendê-lo e aplicar essa grana no Selic? É seguro, não corro risco de perder o dinheiro? Li que receberia cerca de 10% desse valor ao ano após o pagamento de todas as taxas e do IR, entendi direito, é isso mesmo? Porque se sim, acho que é bem mais vantajoso do que continuar alugando ele, tô certo? Outra coisa, como posso fazer o investimento? Obrigado pela ajuda e parabens pelo site!

  • Fala, Breno!

    Este artigo foi escrito há 2 anos e meio, então é necessário pontuar que a taxa de rentabilidade do Tesouro Selic já não é mais a mesma.

    Hoje, a Taxa Selic Meta está em 7,5% e com perspectiva de baixar ainda mais.

    Pelos valores que você informou, está recebendo 5,25% ao ano pelo aluguel, o que está na média para imóveis residenciais. Além disso, existe o risco de o inquilino sair ou ficar inadimplente, bem como as burocracias e acompanhamentos envolvidos.

    O Tesouro Selic ainda apresenta uma rentabilidade nominal maior, mas já não é tão gritante quanto era antes. No entanto, é tudo questão de ciclos. Pode ser que entremos em uma recuperação econômica e imobiliária ou que haja novos indícios de crise (ano de eleições nos reserva muitas surpresas e incertezas).

    Eu, pessoalmente, nunca investi em imóveis físicos diretamente, pois acho que o retorno não compensa o grande trabalho que se tem com isso (e o risco de grande capital imobilizado).

    Existe uma modalidade de investimento chamada fundos imobiliários, na qual você investe em imóveis indiretamente e recebe aluguéis sem ter o trabalho de ficar lidando com burocracias e correndo atrás de inquilinos. Dá uma lida neste artigo para entender um pouco mais: http://jornadadodinheiro.com/investir/invista-em-imoveis-com-pouco-dinheiro/

    Por fim, não faça nada precipitado. Comece a estudar sobre outras formas de investimento e, se você se sentir confortável, venda o imóvel. Com esse valor, você consegue uma boa diversificação, correndo muito menos riscos do que ter um único imóvel e ainda provavelmente com rentabilidade maior.

    Entre também no nosso grupo do Facebook, onde discutimos sobre esses assuntos diariamente: https://www.facebook.com/groups/662338143896292/

    Espero que tenha ajudado!

    Grande abraço!