COMO COMPARAR INVESTIMENTOS DE RENDA FIXA?

como-comparar-investimentos-de-renda-fixa-capa
Você já se sentiu perdido quando o gerente do banco ofereceu um CDB que rende 77% do CDI?

Ou quando viu aquela tabela de títulos do Tesouro Direto, mostrando que a rentabilidade do Tesouro IPCA+ é de 6% ao ano?

Não diziam que o Tesouro Direto rende mais do que a poupança? Será que sempre me enganaram?

Uma dúvida muito comum que recebemos também é: “o que rende mais: CDB ou Tesouro Direto?”

Quem estuda investimentos há algum tempo já tem a resposta na ponta da língua: depende.

É comum investidores iniciantes pensarem que CDB ou Tesouro Direto têm uma rentabilidade fixa. Afinal, não são investimentos de renda fixa?

Na verdade, o que caracteriza um investimento de renda fixa não é saber exatamente quanto rende ou quanto você resgatará no futuro, mas sim que seu rendimento pode ser dimensionado (estimado), ou seja, você já conhece qual o índice de remuneração que será aplicado sobre seu montante.

Nem mesmo a poupança tem uma rentabilidade fixa, pois rende TR + 0,5% ao mês, e a TR (taxa referencial) varia ao longo de cada mês.

Cada tipo de investimento pode ser atrelado a índices diferentes e, por isso, causa muita confusão na cabeça de quem está começando.

Por esse motivo, devemos transformar toda essa sopa de letrinhas em números possíveis de ser comparados.

O mais comum é convertermos esses valores todos para uma taxa de rentabilidade percentual anualizada.

Este artigo será repleto de cálculos, mas alguns deles são bem simples e necessários para você entender o básico sobre investimentos.

Não aceito desculpas como “sou de humanas”, pois eu também sou. Sou formado em letras e estou aqui agora falando sobre educação financeira e investimentos.

Se quiser saber mais um pouco sobre a nossa história, leia a seção Sobre aqui do nosso site.

Você verá que, ao final da leitura deste artigo, terá aprendido muito mais do que pensou que conseguiria (mesmo se tiver dificuldade em matemática).

Tesouro Prefixado e Outros Títulos Prefixados

Decidi começar por esse tipo de título, pois é a forma de rentabilidade mais fácil de entender.

Alguns exemplos desse tipo de investimento são:
– Tesouro Prefixado de 12%
– CDB prefixado de 14%
– LCI prefixada de 11%

Esses valores percentuais já representam quanto determinado título rende anualmente, então não precisamos converter nada aqui.

Tesouro Selic

Esse investimento coloquei em uma categoria única, pois não é comum vermos outros investimentos atrelados à taxa Selic.

A taxa Selic é considerada a taxa básica de juros de nossa economia, ou seja, é a referência para todos os outros investimentos do país.

A meta Selic é definida a cada 90 dias pelo COPOM (Comitê de Política Monetária), de acordo com dados econômicos atuais e expectativas futuras.

Atualmente, essa meta está em 14,25% ao ano.

No entanto, para efeito de rentabilidade, não consideramos a meta Selic, mas sim a taxa Selic over, que pode ser consultada diariamente no site do Banco Central do Brasil e está atualmente em 14,15%.

Muitos se assustam ao ver na tabela de títulos do Tesouro Direto que a coluna de taxa de compra deste título normalmente está em 0,00 ou próximo disso.

Na realidade, quando o valor está em 0,00, significa que o título terá rentabilidade correspondente à taxa Selic over.

Se estiver em 0,03, por exemplo, significa que você terá uma pequena rentabilidade acima da taxa Selic (14,18%).

Também pode acontecer de o valor estar negativo, como -0,02, aí você receberá uma rentabilidade um pouco abaixo da Selic (14,13%).

No entanto, esse deságio ou ágio nunca será muito significativo e você não deve se preocupar com isso quando for investir.

Considere a Selic do momento, sem estresse.

Se quiser ler um pouco mais sobre essa questão de deságio e ágio, clique aqui.

Tesouro IPCA+ e Outros Títulos Atrelados à Inflação

O cálculo para o Tesouro IPCA+ e outros investimentos atrelados a algum índice de inflação, que também pode ser IGPM, IGPDI, INCC, etc. é muitas vezes feito de forma equivocada.

Vamos pegar como exemplo o Tesouro IPCA+ citado no início do artigo.

A rentabilidade mostrada é de 6%, o que assusta muita gente ao comparar com o Tesouro Prefixado ou Tesouro Selic.

No entanto, investimentos atrelados à inflação costumam pagar essa taxa prefixada e mais a variação do índice.

E é aí que vem o erro comum: muitos tendem a somar a taxa prefixada com o valor da inflação.

Supondo o IPCA de fechamento de 2015, que foi de 10,67%, a rentabilidade do Tesouro IPCA+ seria de 16,67%, certo?

Porém, não é essa a maneira correta de calcular a incidência da inflação.

Como essa incidência se dá em forma de juros sobre juros, o cálculo correto seria:


(1 + 0,06) * (1 + 0,1067) – 1 =

= (1,06 * 1,1067) – 1 =
= 1,173102 – 1 =
= 0,173102 =
= 17,31%

Sendo que todos os números foram transformados para o formato decimal, então 1 significa 100%, 0,06 representa 6% e 0,1067 representa 10,67%. E o * representa sinal de multiplicação. Acabo colocando nesse formato, pois é a maneira de utilizar em planilhas no Excel caso você queira fazer os cálculos por lá.

Para calcular outros investimentos atrelados a esses índices, basta utilizar a mesma lógica, substituindo os números correspondentes.

Caderneta de Poupança

A poupança é um investimento muito interessante, pois é onde a maioria das pessoas deposita seu suado dinheiro.

Concordo que ela tem características excelentes, como liquidez imediata, zero burocracia, não ter valor mínimo para aplicação e boa segurança.

No entanto, aproveito para reforçar aqui que o investimento financeiro mais seguro no Brasil é em títulos públicos (Tesouro Direto).

Mesmo assim, a chance de um grande banco (onde você provavelmente tem sua poupança) quebrar é muito pequena e, se ele falir, a poupança tem cobertura do FGC.

O “único” problema da caderneta de poupança é o rendimento. Ele é composto por duas taxas:
– 0,5% ao mês
– Taxa referencial (TR)

A taxa de 0,5% anualizada fica em 6,41% ao ano.

Você deve estar pensando: “não seria 6,00%, pois 12 vezes 0,5 é igual 6?”

Não, porque devemos considerar os juros compostos no cálculo. Mais adiante, explicarei como fazer. Por enquanto, vamos nos ater somente aos 6,41%.

Com esse valor em mãos, agora precisamos saber quanto vale a taxa referencial (TR). Para consultar, você pode utilizar o Portal Brasil.

Utilizarei como exemplo o valor de fechamento de 2015, que foi de 1,7954%.

Então agora é só somar com os 6,41%?

Não! A mesma regra da inflação se aplica aqui!

Vamos ao cálculo:

(1 + 0,0641) * (1 + 0,017954) – 1 =
= (1,0641 * 1,017954) – 1 =
= 1,0832 – 1 =
= 0,0832 =
= 8,32%

Sendo que todos os números foram transformados para o formato decimal, então 1 significa 100%, 0,0641 representa 6,41% e 0,017954 representa 1,7954%. E o * representa sinal de multiplicação.

Portanto, a caderneta de poupança rendeu 8,32% no ano de 2015.

Não seria uma rentabilidade tão ruim se o IPCA (inflação) não tivesse sido de 10,67%.

Isso significa que quem tinha o dinheiro na poupança perdeu poder de compra.

Por esse motivo é que batemos tanto na tecla de que você precisa sair da poupança!

CDB, LCI e Outros Títulos Atrelados ao CDI

Um equívoco muito comum é confundir CDB com CDI.

O CDI (Certificado de Depósito Interbancário) é um título que serve como lastro de empréstimos entre bancos.

Por sua vez, o CDB (Certificado de Depósito Bancário) é um título para empréstimo entre os bancos e os investidores.

O CDI é utilizado como referência para vários tipos de investimentos, porque de certa forma determina o preço dos empréstimos.

Alguns exemplos de investimentos atrelados ao CDI são:
– CDB a 120% do CDI
– LC a 123% do CDI
– LCI a 101% do CDI
– LCA a 98% do CDI

Portanto, para sabermos quanto cada um desses investimentos rende, precisamos primeiro saber quanto vale o CDI.

Ele é sempre calculado pela Cetip e está sempre bem próximo à taxa Selic. Atualmente, está em 14,13% ao ano. Você pode consultar essa taxa no site da Cetip.

O cálculo aqui é mais fácil do que o de investimentos atrelados à inflação ou à TR. Utilizando o CDB como exemplo, temos:

14,13 * 1,20 =
= 16,956 =
= 16,96%

Sendo que 14,13 é o próprio valor do CDI e 1,20 é os 120% do CDI transformados em decimal. O * representa sinal de multiplicação.

Para calcular os demais investimentos, basta seguir o mesmo cálculo, substituindo a respectiva taxa.

Você encontrará valores bem menores para LCI e LCA, mas vale lembrar que esses investimentos são isentos de imposto de renda.

Portanto, para comparar todos os demais investimentos, devemos encontrar a rentabilidade líquida.

Aqui, ocorre outro grande erro da maioria dos investidores. Simplesmente, pegam a rentabilidade bruta anual e descontam o valor do imposto de renda.

Esse cálculo estará correto somente se o prazo do investimento for de 1 ano.

Para investimentos superiores a esse prazo, você não pode simplesmente deduzir o IR na taxa anualizada, pois estaria descontando o IR na rentabilidade de todos os anos, em vez de descontar uma única vez no vencimento.

Explicarei a seguir detalhadamente como fazer esses cálculos da maneira correta para você nunca mais comparar CDB com LCI de maneira equivocada.

Como Comparar Investimentos com e sem Imposto de Renda?

Este é um tópico essencial para todo investidor entender o poder dos juros compostos.

Para sabermos qual é mais vantajoso entre um CDB de 100% do CDI e uma LCI de 85% do CDI em um prazo de 3 anos, não basta simplesmente deduzir 15% de IR na taxa do CDB e concluir que ambos são iguais com 85% do CDI de rentabilidade.

Somente para efeito de informação para os investidores iniciantes, colocarei aqui o resumo da tabela de alíquota regressiva do desconto do imposto de renda:
22,5% para investimentos até 6 meses
20,0% para investimentos entre 6 meses e 1 ano
17,5% para investimentos entre 1 e 2 anos
15,0% para investimentos superiores a 2 anos

Portanto, no exemplo, o prazo do investimento é de 3 anos, então temos que descontar 15% do IR.

Agora, mostrarei a maneira correta de se calcular essas rentabilidades.

Um detalhe muito importante é que esses investimentos têm rentabilidade diária, ou seja, reajustam o preço do título todos os dias. Na verdade, todos os dias úteis.

Por esse motivo, para termos uma melhor precisão nos cálculos, devemos utilizar a rentabilidade diária dos títulos.

O problema é que só temos a rentabilidade anual. Então, como fazer?

Você já aprendeu anteriormente como transformar 85% do CDI em rentabilidade anual. Vamos utilizar a fórmula novamente:

14,13 * 0,85 =
= 12,01%

Agora, com esse valor, utilizamos o seguinte cálculo para transformar em rentabilidade diária (é a fórmula inversa aos juros compostos):

(1 + 0,1201) ^ (1 / 252) – 1 =
= 1,1201 ^ (1 / 252) – 1 =
= 1,000450 – 1 =
= 0,000450 =
= 0,0450%

Sendo que todos os números foram transformados para o formato decimal, então 1 significa 100%, 0,1201 representa 12,01% e 252 representa o número padrão de dias úteis em um ano. E o ^ representa sinal de potenciação. Acabo colocando nesse formato, pois é a maneira de utilizar em planilhas no Excel caso você queira fazer os cálculos por lá.

Com essa rentabilidade diária em mãos, agora podemos calcular com mais precisão a rentabilidade do período de 3 anos, ou seja, 756 dias úteis.

Vamos utilizar a fórmula dos juros compostos:

((1 + 0,000450) ^ 756) – 1 =
= (1,000450 ^ 756) – 1 =
= 1,4053 – 1 =
= 0,4053 =
= 40,53%

Lembrando que, para transformar os 0,0450% em decimais, basta adicionar mais dois zeros após a vírgula. E repare também que, dessa vez, na potenciação, não temos o número 1 dividido pelo número de dias, pois aquele é o cálculo para desfazer os juros compostos, mas agora estamos calculando os juros compostos em si.

Portanto, a LCI de 85% do CDI renderá 40,53% em 3 anos, ou seja, se você investir 10 mil reais, resgatará R$ 14.053,00.

Agora, para saber se a LCI é mais vantajosa que o CDB, precisamos calcular o valor do CDB de 100% do CDI nesse mesmo período.

Para transformar em valor anualizado, está fácil, pois, se ele representa 100% do CDI, basta utilizar a taxa atual do CDI, que é de 14,13%.

Então, vamos decompor o valor para rentabilidade diária:

(1 + 0,1413) ^ (1 / 252) – 1 =
= 1,1413 ^ (1 / 252) – 1 =
= 1,000525 – 1 =
= 0,000525 =
= 0,0525%

Agora, basta utilizar novamente o cálculo dos juros compostos para 3 anos:

((1 + 0,000525) ^ 756) – 1 =
= (1,000525 ^ 756) – 1 =
= 1,4866 – 1 =
= 0,4866 =
= 48,66%

Isso significa que o CDB rende mais nesse período. Porém, ainda falta o último detalhe antes de sabermos qual terá a melhor rentabilidade líquida.

Para descontarmos o imposto de renda, basta deduzir 15% da rentabilidade de 48,66%. Para isso, é mais fácil multiplicar o valor pelo referente a 85% do valor dele:

48,66 * 0,85 =
= 41,36%

Portanto, quem investiu 10 mil reais neste CDB resgatará R$ 14.136,00 no vencimento contra R$ 14.053,00 de quem investiu na LCI.

Embora seja uma diferença pequena, é importante para entender que não devemos simplesmente descontar o IR da rentabilidade bruta anual.

Aprendendo a fazer esses cálculos (de preferência numa planilha para agilizar as contas), você conseguirá comparar todos esses investimentos.

Como Calcular a Rentabilidade Real?

Quando falamos em rentabilidade real, queremos dizer quanto de fato foi o aumento do nosso poder de compra, ou seja, qual foi o nosso ganho em relação à inflação.

Para fazer isso, devemos pegar a rentabilidade total do período e abater a inflação (IPCA) desse período.

Pegarei o CDB do exemplo anterior para simularmos. A rentabilidade líquida total dele no período de 3 anos foi de 41,36%.

Como não sabemos qual será o IPCA dos próximos 3 anos, precisamos simular.

Utilizarei uma média de 8% ao ano, que acho razoável para o período. Então, devemos fazer os mesmos cálculos que fizemos acima para o IPCA.

Transformamos o IPCA anual em uma taxa diária:

(1 + 0,08) ^ (1 / 252) – 1 =
= 1,08 ^ (1 / 252) – 1 =
= 1,000305 – 1 =
= 0,000305 =
= 0,0305%

Agora, aplicamos os juros compostos de 3 anos:

((1 + 0,000305) ^ 756) – 1 =
= (1,000305 ^ 756) – 1 =
= 1,2597 – 1 =
= 0,2597 =
= 25,97%

Portanto, o IPCA projetado para o período de 3 anos será de 25,97%.

Para abater esse valor na rentabilidade do CDB, não devemos fazer uma simples subtração, pois se trata de juros sobre juros. Então, utilizamos a fórmula inversa da aplicação do IPCA no título do Tesouro IPCA+:

(1 + 0,4136) / (1 + 0,2597) – 1 =
= (1,4136 / 1,2597) – 1 =
= 1,1222 – 1 =
= 0,1222 =
= 12,22%

Sendo que todos os números foram transformados para o formato decimal, então 1 significa 100%, 0,4136 representa 41,36% (rentabilidade do CDB) e 0,2597 representa 25,97% (IPCA do período). E a / representa sinal de divisão.

Portanto, se você investir 10 mil reais nesse CDB, daqui a 3 anos terá o equivalente ao poder de compra de R$ 11.222,00 de hoje.

Vale lembrar que essa questão de rentabilidade real é muito relativa: os produtos e serviços que você utiliza podem ter reajustes muito acima do IPCA, como também podem ser abaixo dele.

A ideia de calcular a rentabilidade real é somente para ter uma noção do quanto a inflação prejudica nosso dinheiro e que, se você não investir, fatalmente terá parte de seu capital corroído.

Como Calcular Rentabilidades com Aportes?

como-comparar-investimentos-de-renda-fixa01
Quando queremos saber qual será a rentabilidade de determinado investimento que fizemos, utilizamos os cálculos já vistos anteriormente para termos uma ideia de quanto resgataremos ao final daquele período.

No entanto, você já sabe que o ideal é poupar e investir todos os meses para fazermos nosso patrimônio crescer ainda mais rapidamente.

Isso é o que chamamos de aporte. Cada vez que investimos um novo valor estamos aportando.

E o valor desses aportes não é levado em consideração nessas simulações que fizemos.

A fórmula para considerar investimentos com aportes é:

Valor final = aporte * (((1 + rentabilidade) ^ tempo) – 1) / rentabilidade

Pegarei como exemplo agora o Tesouro Selic.

Como os aportes normalmente são mensais, para fazermos esses cálculos, devemos transformar todas as variáveis (rentabilidade e tempo) para uma base mensal.

Se considerarmos um investimento de 5 anos, devemos utilizar o tempo de 60 meses.

A rentabilidade que temos é a taxa Selic over anual de 14,15%. Portanto, vamos transformá-la em uma rentabilidade mensal, aplicando a fórmula inversa dos juros compostos:

((1 + 0,1415) ^ (1 / 12)) – 1 =
= (1,1415 ^ (1 / 12)) – 1 =
= 1,0111 – 1 =
= 0,0111 =
= 1,11%

Essa é a rentabilidade bruta, mas lembre-se que só devemos descontar o imposto de renda no momento do resgate.

Vamos considerar uma pessoa que consiga investir R$ 500,00 todo mês.

Portanto, com todos os dados em base mensal, podemos utilizar a fórmula:

500 * (((1 + 0,0111) ^ 60) – 1) / 0,0111 =
= 500 * ((1,0111 ^ 60) – 1) / 0,0111 =
= 500 * (1,9393 – 1) / 0,0111 =
= 500 * 0,9393 / 0,0111 =
= 469,65 / 0,0111 =
= 42.310,81

Portanto, investindo R$ 500,00 todo mês no Tesouro Selic durante 5 anos, a pessoa acumularia R$ 42.310,81.

Para saber quanto desse montante foi em juros ganhos, basta descobrirmos quanto a pessoa aportou no total, fazendo 500 * 60.

Ou seja, a pessoa investiu 30 mil reais no período de 5 anos e recebeu R$ 12.310,81 em juros, sem nenhum esforço, colocando o dinheiro para trabalhar a seu favor.

Agora que sabemos qual foi o lucro bruto, podemos calcular o lucro líquido da operação, abatendo 15% de imposto de renda:

12.310,81 * 0,85 =
= 10.464,19

Portanto, o lucro líquido seria de R$ 10.464,19 e o total resgatado seria de R$ 40.464,19.

Considerações Finais

como-comparar-investimentos-de-renda-fixa02
Este artigo teve um conteúdo bem matemático, mas achei importante escrever para que você possa ter a noção dos cálculos a serem feitos para se comparar investimentos.

Felizmente, você não precisará ficar calculando tudo isso na mão sempre que for comparar seus investimentos.

Você pode colocar os cálculos de forma automatizada em uma planilha ou utilizar sites e aplicativos que tenham essa função.

Recomendo o app Renda Fixa, que começou como aplicativo e hoje também tem seu formato na web.

Não deixe também de se inscrever gratuitamente no Mini-Curso Tesouro Direto, agora todo em vídeo!

Caso você tenha qualquer dúvida, deixe um comentário!

Grande abraço!

Vitor Hernandes

  • Tais CF

    Só posso dizer: Muito obrigada!!!!!

  • Obrigado, Tais!

    Espero que tenha ajudado!

    Grande abraço!

  • Moacir Santana

    Vitor, se existisse uma votação dos melhores artigos do blog, sem dúvidas esse estaria entre os primeiros. E posso afirmar isso com segurança pois estou lendo todos. Aqui vc apresentou algumas pequenas sutilezas que fazem toda a diferença para compreender a rentabilidade real. Excelente!

    Só um detalhe: li pouco depois da publicação e, por alguma razão, a parte de comentáios não estava disponível ainda para escrever… não sei se houve algum bug mas não custa informar.

    Abs!

  • Danilo

    Parabéns pelo artigo! Excelente! Você e toda a equipe mandam muito bem!

  • Valeu, Moacir!

    Sentimos a necessidade de escrever um artigo com esses cálculos porque muita gente ainda não sabe como fazê-los!

    Espero que tenha ajudado ao menos um pouco, pois sei que alguns dos cálculos não são muito fáceis.

    Sobre os comentários, eu havia esquecido de habilitar a função, mas obrigado por avisar!

  • Valeu, Danilo!

    Espero que tenha esclarecido como comparar os principais investimentos de renda fixa que vemos no dia a dia!

    Você já está no nosso grupo do Facebook?

    Lá temos discussões diariamente sobre esses assuntos: http://jornadadodinheiro.com/grupo/

    Grande abraço!

  • Gilmar Passos

    Mais um ótimo artigo, muito esclarecedor, e esse app renda fixa é show de bola tbm.Muito obrigado por compartilhar tantas informações importantes.Sucesso a todos..

  • Vitor Almeida

    Vitor, excelente conteúdo!
    Nossa, estou tendo um aprendizado muito grande com os artigos de vocês.
    Estou estudando para fazer CPA 10 dia 10/08. E esses artigos são de grande valia para nós.
    Parabéns e continuem assim.

    Abraço!

  • Muito obrigado, Gilmar!

    Fico feliz que tenha ajudado!

    Você já está no nosso grupo do Facebook?

    Lá temos discussões diariamente sobre educação financeira e investimentos: http://jornadadodinheiro.com/grupo/

    Grande abraço!

  • Valeu, xará!

    Que legal! Acho que alguns artigos podem ajudar mesmo para a sua certificação! Boa sorte na prova!

    Você já está no nosso grupo do Facebook?

    Lá temos discussões diariamente sobre educação financeira e investimentos: http://jornadadodinheiro.com/grupo/

    Grande abraço!

  • Vitor Almeida

    Estou sim, xará.
    Acompanho vocês faz um tempo, só que agora estou mais assíduo.
    Acompanho diversos sites, to sempre garimpando. Mas sem puxação de saco, o de vocês é excelente. Esclarecedor e de conteúdos bem relevantes.

    Forte abraço!

  • Show, Vitor!

    Valeu pelo apoio!

  • Bruno Martins

    Aí é fera!!! Valeu Vitor por compartilhar conhecimento. Parabéns pelo excelente conteúdo! Grande abraço.

  • Valeu, Bruno!

    Os cálculos são meio chatinhos, mas é bom saber para podermos comparar!

    Grande abraço!

  • Savio

    Vítor, valeu mesmo por esse artigo!! Eu sempre fiz comparações entre CDB e LCI/LCA para saber o que poderia valer mais à pena porém usando um monte de regra de três. Os teus cálculos facilitaram muuuuito agora! E detalhe: jamais me lembrei de acionar os juros compostos. Obrigado mesmo! Abração!

  • Valeu, Savio!

    Para facilitar, coloque as fórmulas na planilha! Ou também pode usar o aplicativo indicado!

    Grande abraço!

  • Rodrigo

    Muito bom esse App Renda Fixa. Obrigado

  • Valeu, Rodrigo!

    Grande abraço!

  • RC

    Gostaria apenas de agradecer por compartilhar seu conhecimento conosco. Obrigado!

  • Valeu, RC!

    Espero que tenha ajudado!

    Grande abraço!

  • Marcos de Paula

    Outro excelente artigo!! Obrigado por compartilhar conosco. Ajudou e muito a compreender os números que muitas vezes achamls estranhos, mas ali estão eles e você precisa entendê-los!!

  • Marcos de Paula

    Outro excelente artigo!! Obrigado por compartilhar conosco. Ajudou e muito a compreender os números que muitas vezes achamos estranhos, mas ali estão eles e você precisa entendê-los!!

  • Valeu, Marcos!

    Sim, é meio chatinho de aprender esses cálculos, mas são importantes para avaliarmos melhor nossos investimentos.

    Grande abraço!

  • Vitor Almeida

    Boa tarde, Vitor.
    Passei na prova do CPA-10 que tinha comentado contigo. Agora não sei se já emendo o CPA-20 ou primeiro começo a trabalhar em um banco.

    Abraço.

  • Parabéns, Vitor!

    Sugiro que comece a ter experiências mais práticas mesmo. Enquanto isso, ir estudando o conteúdo de outro certificado.

    Grande abraço!

  • Vitor Almeida

    Valeu, Vitor.

    Sim, estou finalizando meu currículo pois já quero começar a trabalhar na área. Estou fazendo alguns contatos e assim que surgir algo já vou.
    Enquanto isso, vou estudando pro CPA-20.

    Forte abraço, amigo.

  • Savio

    Sim, o aplicativo “renda fixa” é uma mão na roda. Ao clicar no produto, ele já te diz quanto será a sua rentabilidade líquida, mensal e anual. Prontinho feito pizza entregue em casa!!! kkkk. Mais uma dica que aprendi contigo. E mais um muito obrigado como sempre!!!

  • José Eduardo de Araujo

    Parabéns pelo artigo!! Estou aprendendo muito com vcs!!

  • Valeu, José!

    Já está no nosso grupo do Facebook?

    http://jornadadodinheiro.com/grupo/

    Grande abraço!

  • Bruno Lins

    Muito bom o artigo, já montei minha planilha!

  • Valeu, Bruno!

    Já está no nosso grupo do Facebook?

    https://www.facebook.com/groups/662338143896292/

    Grande abraço!

  • Lucas Nobrega

    Vitor,

    Acabei de escrever um artigo falando tudo sobre renda fixa e mencionei você quando falei sobre comparação de investimentos em renda fixa. Se puder, dá uma olhada e me conta o que achou depois!

    http://edufinance.com.br/investir/como-investir-em-renda-fixa-o-guia-completo/

    Abraço!

  • Fala, Lucas! Tudo bem?

    Obrigado por mencionar nosso artigo e parabéns pelo seu site!

    Grande abraço!

  • Ricardo Matsumoto Tommasini

    Ótima explicação. Literalmente você desenhou tudo pra gente (leigos). Já li e reli váaaaarios blogs sobre investimentos e não achei ninguém explicando como você acabou de fazer!. Parabéns! Valeu!

  • Valeu, Ricardo!

    Fico feliz que tenha ajudado!

    Participe do nosso grupo no Facebook também: https://www.facebook.com/groups/662338143896292/

    Grande abraço!

  • José Ângelo

    Caro colega Vitor, tudo bem?

    Estou aqui mais uma vez para sanar algumas dúvidas… É o seguinte: participo de um consórcio entre amigos, no qual são pagos valores a partir de R$ 100,00 aumentando R$ 2,00 a cada mês, durante 12 meses. Eu sempre fico com a última “pedra” como uma forma de investir o meu dinheiro. Sem levar em consideração os riscos e observando a rentabilidade, este investimento no final me dá um retorno de R$ 132,00. Sendo que eu invisto ao todo R$ 1210,00 se contarmos os 11 meses de sucessivos pagamentos. Desconsidero o 12º mês pois nele eu recebo o valor e não tenho a necessidade de pagar a “pedra” referente a este mês. Se eu não estiver enganado, esse tipo de investimento me retorna um rendimento de aproximadamente de 10,91%, correto? Pois 132 / 1210 = 10,91%

    Tendo estes dados em mãos, eu usei os cálculos que vc colocou neste artigo sobre investimentos com aporte, para que eu pudesse fazer uma comparação. Montei uma tabela na planilha e coloquei os respectivos valores. Assim eu poderia ter uma comparação relativa entre o tesouro selic em um ano, e o meu consórcio.

    Como aporte eu coloquei a média dos valores mensais que são R$ 110,00.
    Como taxas de juros transformei o atual valor da selic 12,15 a.a. pelo valor mensal, resultando em 0,9601% a.m..
    E usei o tempo de 12 meses para ter uma noção do rendimento anual.
    Pelos meus cálculos obtive uma rentabilidade bruta de R$ 71,98. Concluindo neste caso que o consórcio seria mais interessante.

    Porém, ainda fiquei curioso, e tentei colocar os mesmos valores na CALCULADORA do app Renda Fixa, para ter mais um dado de comparação. Entretanto no app acusou uma rentabilidade bruta de R$ 1515,35!!!!! E ainda uma cobrança de IR de apenas R$ 14,17.

    Aí que fiquei com a pulga atrás da orelha mesmo… kkkkkk Fiquei na dúvida se confiava no aplicativo mesmo desconfiando dos dados fornecidos, ou será que meus cálculos estariam tão errados ao ponto de haver tanta discrepância!??

    Por favor Vítor, me ajude!!!! rsrs

    Muito obrigado e aguardo sua resposta quando puder! Forte abraço e sucesso sempre!

  • José Ângelo

    Puxa Vítor. Me ajude nessa confusão… Assim posso me certificar que estou fazendo os cálculos corretos. Aguardo sua resposta. Desde já lhe agradeço e peço desculpas pela insistência. Abraço.

  • Fala, José!

    Não entendi esse negócio do consórcio. É consórcio para comprar o quê? Onde está aplicado esse dinheiro?

    Agora, a segunda questão: você pode até comparar a rentabilidade com o Tesouro Selic, mas os objetivos são distintos. No consórcio, você está travando seu dinheiro para receber um bem futuramente, seja imóvel, carro, moto, etc. No Tesouro Selic, você está investindo algo com liquidez diária, que poderá ser usado para emergências ou algum objetivo de curto prazo.

    Sobre os cálculos, com certeza o valor do app está errado. Pode ser que você tenha inserido algum dado equivocado. Também é comum nesses aplicativos eles inverterem o uso de vírgula e ponto, o que pode transformar uma casa decimal em milhares. Veja se não é esse o caso.

    Não tem como dar uma rentabilidade de R$ 1.515,35 em 1 ano investindo R$ 1.210,00. Isso dá cerca de 125%.

    O seu cálculo inicial está mais correto, mas você não deve escolher seus investimentos somente pela rentabilidade. O mais importante é analisar o objetivo daquele investimento.

    Grande abraço!