INVESTIR EM CDB e LC É MAIS VANTAJOSO DO QUE LCI e LCA

cdb

Investir em CDB e LC é mais vantajoso do que LCI e LCA!

Neste último ano, muito tem se falado sobre LCI (Letras de Crédito Imobiliário) e LCA (Letras de Crédito do Agronegócio) como opções muito mais rentáveis do que a poupança e alguns defendendo até como alternativa melhor que o Tesouro Direto.

Muito disso se deve a um grande atrativo desse tipo de investimento, que é a isenção do imposto de renda.

Mas pagar IR realmente é tão desvantajoso assim?

Algumas pessoas inclusive preferem a poupança em vez do Tesouro Direto para “não ter que pagar imposto de renda”. Isso se deve à falta de conhecimento e, também, por se acomodarem em não estudar outras opções para tratarem melhor seu dinheiro.

Os investidores que já se desvencilharam desse status quo também viram as LCI e LCA como excelentes alternativas de investimento, mas descartando CDB (Crédito de Depósito Bancário) e LC (Letras de Câmbio) pela taxação do IR.

O que é melhor: LCI pagando 100% do CDI ou CDB pagando 117% do CDI?

O senso comum diz que, para transformarmos o rendimento do CDB em um correspondente da LCI, basta descontar o IR do valor.

Portanto, temos que 117% do CDI corresponderia a 99,45%, descontando o menor IR (15%). Para isso, basta multiplicar 117 por 0,85 (que nada mais é do que 85%).

Por essa análise, concluiríamos que a LCI de 100% do CDI é, de fato, melhor que o CDB de 117% do CDI, mesmo para períodos superiores a 2 anos, em que a alíquota do IR é a menor.

Mas estamos enganados…

Eu costumava pensar no cálculo dessa maneira, mas, recentemente, um amigo propôs a seguinte reflexão: os juros que incidem sobre o montante principal são bem maiores no CDB e o desconto do IR só é contabilizado no fim.

Os tais dos juros compostos…

Para comparação, consideremos o CDI atual de 13,13%.

Enquanto a LCI está rendendo 13,13% ao ano, o CDB de 117% do CDI renderia 15,36% sobre o montante principal.

Caso o ativo tivesse vencimento de 1 ano, mesmo se considerasse a menor alíquota fictícia, o CDB teria rendimento inferior à LCI, pois a LCI renderia 13,13% e o CDB 13,06%.

A “mágica” ocorre a partir do segundo ano, quando os juros sobre juros entram em cena.

Chega de teoria, quero números. Como faço esses cálculos?

Tenho R$ 1.000,00 disponíveis, com as opções de investir em uma LCI de 100% do CDI e um CDB de 117% do CDI. Qual devo escolher?

O cálculo que deve ser feito para essa operação é o seguinte:

Valor final = valor inicial * (1 + taxa de juros) ^ número de períodos

A taxa de juros e o número de períodos podem ser expressos em dias, meses, anos ou em qualquer unidade de tempo que preferir. O importante é sempre usar a mesma unidade em ambos. No exemplo, estou usando a unidade em anos.

O número inteiro 1, entre parênteses, representa 100% do valor, que será somado à taxa de juros para efeitos de cálculo. É válido ressaltar também que, embora a taxa de juros seja comumente expressa em porcentagem (13,13%), deve ser expressa em decimais (0,1313) para o cálculo, já que o 100% está representado pelo número 1.

guia_invest

A hora da verdade

Sabendo a fórmula para realizar as comparações, agora fica fácil projetarmos qual dos investimentos é mais vantajoso.

Vamos ver como ficaria o cálculo para 2 anos de investimento?

LCI:
Valor final = 1.000 * (1 + 0,1313) ^ 2 = R$ 1.279,84

CDB:
Valor final bruto = 1.000 * (1 + 0,1536) ^ 2 = R$ 1.330,79
Descontando o IR:
Valor final = (330,79 * 0,85) + 1.000 = R$ 1.281,17

Repare que, a partir de 2 anos, o CDB já passa a ser mais vantajoso, mesmo que, à primeira vista, parecesse que a LCI fosse claramente melhor.

E, quanto mais o tempo é dilatado, mais a diferença desses 15,36% se faz presente.

Veja a tabela com o resumo da evolução dos valores de cada ativo:

CDB_01
Veja que, em 5 anos, a diferença já foi de R$ 33,52. Você pode pensar que isso é irrelevante, mas imagine se tivesse investido o montante de R$ 100.000,00. Essa diferença já seria de R$ 3.352,00.

Também é legal observar que o rendimento em 5 anos foi de 85,30% na LCI e 88,65% no CDB, ou seja, nesse curto período é possível praticamente dobrar seu capital. Isso significa que, em menos de 6 anos, seus R$ 1.000,00 já seriam mais de R$ 2.000,00.

Pode parecer pouco, mas isso sem você precisar fazer praticamente NADA. Você simplesmente investiu os R$ 1.000,00, voltou dali pouco mais de 5 anos e tinha dobrado seu capital, sem esforço algum (e teria ainda mais caso investisse, por exemplo, R$ 100,00 por mês).

Aliás, seu único trabalho é o de saber no que investir para ter um bom retorno. E a Jornada do Dinheiro está aqui justamente para ajudá-lo.

Saia da poupança já! Para se ter uma ideia, a poupança demoraria 11 anos para dobrar seu capital, ou seja, o dobro do tempo para ter o mesmo valor!

Considerações finais

Mais uma vez, vimos o poder que os juros compostos podem trazer. Um investimento que, em juros simples, era inferior, torna-se superior justamente pelo efeito dos juros sobre juros.

Também vimos que, mesmo a renda fixa sendo um instrumento de compreensão mais simples que a renda variável, ela guarda sutilezas que, se não estivermos atentos, podem prejudicar nossa rentabilidade.

E cada centavo investido melhor hoje pode desencadear um rendimento muito maior amanhã.

Grande abraço e bons investimentos!

Vitor Hernandes

  • André Luiz Hernandes

    Excelente Vitor! A cada dia descobrimos coisas novas. Obrigado!

  • Guilherme Fellet

    É o mestre dos Investimentos! Quando falarmos de Fundos Imobiliários ninguém segura.

  • Excelente artigo Vitor!
    Acredito que esse artigo tenha um grande impacto nas decisões de investimentos, pois muitas pessoas decidem por opções menos rentáveis por não saber fazer as contas corretas.

  • Obrigado! Sim, sempre há coisa nova para descobrir!

  • Hahaha, mestre não. Espero um dia…

    Valeu, Guilherme!

  • Obrigado, Thomaz!

    Pois é! Mesmo esses investimentos mais “simples” têm algumas peculiaridades que enganam a gente. Devemos ficar atentos para as melhores oportunidades!

  • Leonardo Savian Batistella

    Muito bom mesmo! Ficou bastante claro o que é mais vantajoso dentro de um período de tempo. Parabéns!

  • Anderson Henrique Chaves

    Bacana essa informação!
    era aquela dúvida que tinha também da NTN-b pois o IR só é calculado no final também.

    Bom saber!
    qnd eu for procurar por alguns CDB’s vou pensar nisso!
    forte abç e bons investimentos

  • Obrigado, Leo!

    Espero que tenha ajudado!

    Grande abraço e bons investimentos!

  • Isso mesmo, Anderson!

    Um Tesouro IPCA+ com vencimento distante terá muito mais vantagem do que um de vencimento curto do que nós imaginamos. A questão dos juros sobre juros rendendo sobre uma taxa alta e em um período estendido faz uma diferença brutal!

    Pretendo fazer essa análise em uma outra oportunidade.

    Grande abraço e bons investimentos!

  • Anderson Henrique Chaves

    Será que ntnbs mais longas mas com Menor prêmio ainda pagariam mais?

  • Jucemir P. Xavier

    Excelente artigo. Me ajudou muito. Parabens pelo trabalho e desde já vou acompanhar mais de perto seu trabalho… Mais uma vez, parabens!

  • Olá, Jucemir!

    Muito obrigado pelo elogio! Espero que esteja gostando do conteúdo.

    Aproveito para convidá-lo a participar do nosso grupo no Facebook:
    https://www.facebook.com/groups/662338143896292/?fref=nf

    Lá é possível tirar dúvidas e interagir com os leitores do blog. Lendo as dúvidas de outros participantes, pode acabar sanando suas próprias dúvidas também.

    Grande abraço!

  • Tiago Fortes De Alcântara Sant

    tem diferença LC a 121 % e CDB também a 121%?

  • Olá, Tiago!

    Não há diferença entre o funcionamento de LC e CDB, ambas têm as mesmas características. A única diferença é a origem do empréstimo para o emissor, mas isso não importa para nós investidores.

  • Tiago Fortes De Alcântara Sant

    Eu vi um artigo que lc era melhor que cdb e que os dois melhor que TD. Eu so tenho investimento em TD

  • Fala, Tiago!

    Talvez você esteja confundindo LC (letra de câmbio) com LCI (letra de crédito imobiliário) e LCA (letra de crédito do agronegócio).

    É preciso entender as características desses investimentos. LCI e LCA são isentas de imposto de renda, enquanto CDB e LC têm a dedução do imposto no resgate.

    Para saber qual é mais vantajosa, deve ser feita a análise descrita no artigo.

    Espero que tenha respondido sua dúvida. Qualquer coisa, é só perguntar.

    Grande abraço!

  • Fernanda

    Em 2 anos, seria melhor investir 5 mil no CDB ou TD Selic?

  • Olá, Fernanda!

    O Tesouro Selic tem a rentabilidade aproximada de 100% do CDI. Portanto, qualquer valor de CDB acima disso já teria uma rentabilidade melhor.

    No entanto, você também deve levar em conta se precisará desse capital antes desses 2 anos. Caso não precise, pode investir no que paga mais e não tem liquidez.

    Caso você não tenha certeza se precisará desse valor antes de 2 anos, é melhor se garantir com o Tesouro Selic, que pode ser resgatado todos os dias.

    Grande abraço!

  • lordeleo

    Gostei bastante do artigo.
    Mas esse cálculo não leva em conta o “comecotas”, certo?
    Isso não alteraria bastante o resultado final?

    Obrigado

  • lordeleo

    Também quero aproveitar e tirar uma dúvida:

    Tenho aplicado 170K em LCA no BB, com taxa de 84%.

    Quero maximizar meus ganhos. Tendo em vista que não tenho previsão de uso para esse capital (posso aplicar a longo prazo), qual a dica de aplicação segura e rentável?

    E essas corretoras que oferecem taxas melhores como Easyinvest, XP, entre outras, são seguras?

    Obrigado pelas respostas.

  • Olá, Leo!

    Não há incidência de come-cotas nesses tipos de aplicação. Somente em fundos de investimento.

    Quanto à sua aplicação, caso você tenha a certeza de que não precisará desse valor durante o prazo do investimento, pode optar por títulos privados mais longos e com taxas menores para aumentar sua rentabilidade.

    A corretora não influencia no fator segurança, pois elas são apenas intermediárias. Você precisa é analisar o emissor do título (normalmente um banco ou financeira). De qualquer maneira, há a cobertura do FGC para investimentos de até R$ 250 mil em uma mesma instituição. Leia mais sobre esse órgão neste artigo: http://jornadadodinheiro.com/investir/os-segredos-do-fgc-fundo-garantidor-de-creditos/

    O mais indicado é você diversificar o montante que você tem entre emissores diferentes, pois, caso um desses emissores quebre, você terá de esperar um tempo para que o FGC reembolse. Nesse caso, você não teria todo o seu montante “congelado.

    Uma outra opção segura é o Tesouro Direto, que seriam títulos públicos do Governo Federal.

    Aproveito para convidá-lo para participar do nosso grupo no Facebook: https://www.facebook.com/groups/662338143896292/

    Lá sempre temos discussões e dúvidas de outros investidores para aumentar o aprendizado de todos.

    Espero que eu tenha ajudado.

    Grande abraço!

  • lordeleo

    Grande Vitor,

    Obrigado pelo retorno. Ajudou bastante.

    Fiz o tema de casa e andei pesquisando algumas opções de investimento com corretoras. Achei uma proposta bem interessante, e queria a opinião de um especialista antes de bater o martelo:

    A Easynvest tem uma opção de “LC” da “Dacasa Financeira” que paga 125% do CDI, para 2 anos.

    Fiz alguns cálculos, e se estou correto:

    CDI atual: 14,13%

    LC 125% do CDI = 17,6625%

    SIMULAÇÃO:

    (investindo R$ 1.000,00 em 2 anos)

    Valor final bruto = 1.000 * (1 + 0,1766) ^ 2 = R$ 1.384,39

    Descontando o IR:

    Valor final = (384,39 * 0,85) + 1.000 = R$ 1.326,73

    Taxa líquida: 32,67% ou 16,34% a.a.

    É isso mesmo? Acha que é um bom negócio? Não iria colocar tudo aí, mas uns 90K pelo menos …

    Muito obrigado. Grande abraço

  • Fala, Leo!

    Com certeza, a rentabilidade dessa LC é muito interessante!

    O cuidado que você deve ter é se a saúde financeira da Dacasa está boa e se teria condições de honrar o compromisso. Lembrando que, se ela falir, o FGC será acionado para você receber o reembolso, mas isso pode demorar um tempo.

    Para evitar ter que fazer pesquisas tão aprofundadas para avaliar uma instituição, você pode investir parcelas menores do seu capital e diversificar mais entre emissores diferentes.

    É claro que o dinheiro é seu e você deve se sentir seguro na alocação de cada investimento, mas colocar mais de 50% do que você tem em um único emissor, eu acho arriscado.

    Ainda não escrevi um artigo sobre diversificação e controle de risco para indicar a leitura, mas sugiro que você aja com calma e não coloque uma fatia tão grande do seu capital em um único investimento.

    Coloque um valor que você se sinta confortável em deixar preso por 2 anos, mas enquanto isso estude outras opções também, porque, conforme você amadurecer seu conhecimento de investidor, perceberá que a liquidez é algo também muito importante para aproveitar oportunidades ou para eventuais emergências.

    A situação atual do país é de instabilidade e já estamos vendo excelentes oportunidades no Tesouro Direto (com taxas que não surgiam há anos), nos fundos imobiliários (com alguns imóveis pagando mais de 1% líquido ao mês) e nas ações (muitas descontadíssimas e que tendem a se recuperar no longo prazo).

    Não estou dizendo que você deve investir nesses tipos de investimento, apenas sugiro para que estude e conheça outras opções e aí decidir qual a melhor alternativa para você! Não precisa ter pressa, mas aprender sempre é fundamental!

    Grande abraço!

  • lordeleo

    Grande Vitor,
    Ponderou muito bem alguns detalhes que as vezes a gente não está atento.
    A questão do prazo, é uma coisa que me alertou e vou seguir o conselho: vou variar entre prazos de 180, 360 e 720 dias. Não olhar só a taxa de retorno. Também vou manter uma boa parte na minha atual, que paga 84% do CDI mas tem liquidez diária, para eventuais necessidades.
    Vou variar entre LCI e LC, que nestes prazos encontrei melhores taxas. LCI para prazos menores (por não ter IR) e LC para prazos maiores.
    Não me sinto seguro para tesouro direto ou fundos imobiliários ainda, vou ler mais a respeito e conhecer mais, para quem sabe depois investir nessa modalidade.
    Muito obrigado pelas informações.
    Forte abraço

  • Fala, Leo!

    A diversificação é fundamental para que os imprevistos não nos peguem despreparados, mas você entendeu bem o recado!

    Diversifique em títulos diferentes e prazos diferentes, pois nunca se sabe quando pode precisar resgatar.

    Quanto ao Tesouro Direto, são títulos públicos do Governo Federal, você empresta dinheiro ao país, que teoricamente é o que mais tem condições de honrar seus compromissos (mais que os próprios bancos). E trata-se de investimento em renda fixa. Leia este artigo para começar a aprender sobre o Tesouro: http://jornadadodinheiro.com/investir/a-nova-poupanca/

    Já os fundos imobiliários envolvem renda variável, pois o seu investimento oscila, então precisa de mais estudo. O grande atrativo deles é você receber um fluxo mensal referente aos aluguéis dos imóveis. Dá uma lida neste artigo para saber um pouco mais: http://jornadadodinheiro.com/investir/invista-em-imoveis-com-pouco-dinheiro/

    Espero que tenha ajudado e qualquer dúvida é só perguntar!

    Grande abraço!

  • lordeleo

    Vitor,
    O que tu acha de um CDB com taxa Pré de 17,50 % para 724 dias?
    Não tenho ouvido muito falar em investimentos com taxas pre-fixadas, mas esta tava me parece muito atrativa. E não creio que os juros vão aumenta tanto assim para o pós-fixado conseguir uma taxa melhor que essa.
    Queria a opinião de um especialista.
    Obrigado. Abraço

  • Fala, Leo!

    Essa taxa com certeza é muito interessante! Se você estiver confiante de que a inflação não subirá muito nesses 2 anos, é um excelente investimento.

    Eu, pessoalmente, não tenho investido em prefixadas, pois, com essa economia tão instável e sem nenhuma perspectiva de grandes melhoras, não conseguimos ter a real noção do que virá daqui para frente.

    Como falado nos comentários anteriores, a diversificação é uma ótima opção quando não se tem controle de tudo. Então pode aproveitar uma parte dessa prefixada e outra parte em pós-fixada.

    Você entrou no nosso grupo do Facebook? Estamos com várias discussões interessantes lá.

    Grande abraço!

  • lordeleo

    Obrigado pelas respostas Vitor.
    Entrei no grupo hoje, estou aguardando a moderação aprovar.
    Quando liberarem, vou dar uma lida por lá e na dúvida posto lá também.
    Abraço

  • Fala, Leo!

    Deu certo? Eu vi que apareceu Leandro Masotti. Esse é você?

    Abraço!

  • XX_Sergio

    Prezado Vitor,

    Pegarei carona na sua resposta… Você cita o cuidado que devemos ter em relação à saúde financeira da empresa que emite os títulos. Agradeço se puder ajudar com minhas dúvidas.

    Pois bem, eis as dúvidas:
    01 – Como podemos avaliar a saúde financeira dessas empresas?
    02 – Que tipo de relatórios e/ou notícias devemos buscar e onde buscar?
    03 – Sei que as corretoras informam o “rating” das instituições financeiras mas, pelo menos na XP, algumas estão sem essa nota de “rating”.
    04 – O FGC não seria um fator para “não nos preocuparmos” com a saúde financeira do emitente?

    Obrigado pela atenção.

    Forte abraço,

    Sérgio

  • Olá, Sergio!

    Ótimos questionamentos. Vamos lá:

    1) Acredito que seja importante analisar se ela tem lucro ou dívidas muito elevadas, embora nem sempre uma dívida seja indicador de uma possível falência.

    2) Não conheço um site que tenha todos os balanços compilados. Somente o Fundamentus.com, por exemplo, que tem os balanços das empresas de capital aberto (listadas em bolsa). Para as demais instituições, acabo buscando no próprio site dela essas informações.

    3) Realmente, algumas ficam sem rating por ainda não terem sido avaliadas.

    4) Concordo que o FGC já nos dá uma tranquilidade tremenda. Por isso é importante a diversificação. Caso seu valor investido em determinada instituição não seja um montante que você precisará em curto prazo, não precisa realmente ir a fundo para levantar todos os balanços do emissor. Não perca o sono com isso.

    Há investidores que defendem simplesmente optar por emissores de maior qualidade, mesmo que a rentabilidade seja um pouco menor, pois, como esses títulos são de curto prazo, normalmente a diferença acaba não sendo tão relevante para montantes menores.

    Eu sou sempre a favor da diversificação: dosar emissores mais conservadores e rentabilidades menores e apimentar um pouco com emissores com boa rentabilidade.

    Espero que tenha ajudado!

    Grande abraço!

  • XX_Sergio

    Olá Vitor,

    Ajudou bastante com suas respostas.

    Como ainda estou iniciando nessa vida de “anti-poupança” sempre aparecem dúvidas desse tipo. Principalmente por ler vários comentários de investidores experientes e cada um tem um forma de agir e pensar.

    No geral, suas respostas e dos demais colaboradores do Jornada “batem” com o que venho tentando traçar como linha a ser seguida.

    Obrigado pelas dicas e informações.

    Forte abraço,

    Sérgio

  • Fala, Sergio!

    Fique à vontade para perguntar!

    Temos este grupo no Facebook também:
    https://www.facebook.com/groups/662338143896292/

    Grande abraço!

  • Wander Prates Viana

    Olá, Victor, tudo bem?!? Tenho uma dúvida. O FGC garante depósito à vista de até 250 mil reais. Por este motivo, nunca tive receio de, ao realizar novos CDB’s, transferir valores de uma conta minha em determinado banco para outra conta (também em meu nome) em outro banco, por exemplo. No entanto, faz poucos dias, recebi uma proposta de uma conhecida corretora de investimentos para aplicar em CDB (gerido pela mesma). A questão é que eu deveria transferir os valores da minha conta corrente para a conta desta corretora; fato que me deixou na dúvida se, caso a corretora “quebrasse” antes de aplicar o dinheiro no CDB, se o FGC garantiria, visto que o dinheiro estaria na conta da corretora (e não em uma conta minha). Não sei se me fiz claro na exposição, mas gostaria de saber se procede o conselho de alguns analistas de não transferir valores para contas que não estejam no nome do investidor. Muito grato pela atenção, Wander.

  • Olá, Wander!

    Em caso de quebra da corretora, os valores na conta corrente dela não serão garantidos pelo FGC.

    O FGC protegeria o investimento no CDB, mas não na conta corrente. Veja aqui: http://www.fgc.org.br/?conteudo=1&ci_menu=19

    Você pode transferir recursos para uma corretora normalmente, mas sugiro que transfira aos poucos e não um montante enorme de uma só vez. Depois de aplicar o valor em algum investimento, transfira outro montante e assim por diante (mas lembre-se de nunca exceder o valor de 250 mil em um único emissor de título).

    A partir do momento que o investimento estiver aplicado em um CDB, LCI, LCA, etc… você estará coberto pelo FGC e não terá o risco de perda em caso de falência da corretora, pois a intermediação dos seus títulos você poderia simplesmente transferir para outra corretora.

    Espero que tenha ajudado.

    Também aproveito para convidá-lo a participar de nosso grupo de discussão no Facebook: https://www.facebook.com/groups/662338143896292/

    Grande abraço!

  • Wander Prates Viana

    Obrigado, Vitor Fernandes, pelo esclarecimento anterior. Permita-me uma última dúvida. Muito provavelmente, o governo irá fazer incidir imposto de renda sobre os rendimentos oriundos de LCA/LCI no ano de 2016. Você saberia dizer se esta incidência aconteceria no momento da aplicação ou do vencimento?!? Tenho a possibilidade de iniciar uma LCA/LCI ainda em 2015, mas como este investimento venceria em 2016, estou com receio de sofrer a incidência de imposto e reduzir o ganho…. Muito grato pela atenção e parabéns pelo post, Wander!!!!!

  • Fala, Wander!

    Há quem diga que não seria legal (juridicamente falando) incidir a tributação em algum investimento já em vigor. Porém, com esse governo louco por arrecadamento, eu não colocaria a mão no fogo.

    Tenho dado preferência a CDB e LC que paguem mais que LCI/LCA ao fazer a dedução do imposto. Temos no mercado CDB/LC acima de 120% do CDI que já seriam mais vantajosos do que LCI/LCA de 100% do CDI, por exemplo.

    Então, para não correr o risco de ser pego de surpresa com uma tributação dessas, procure entrar em LCI/LCA de prazos menores e, para prazos mais esticados, opte por CDB/LC e Tesouro Direto.

    Grande abraço!

  • daniel

    boa tarde,

    meu pai recebeu um processo na justiça, algo em torno de 60.000, mas ele tem medo de investir em algo novo para ele sem ser a poupança, queremos comprar uma casa daqui a alguns anos, onde devemos investir?

  • Boa tarde, Daniel!

    Nós costumamos temer tudo aquilo que é desconhecido. Porém, a partir do momento que entendemos como funciona, nossos medos ficam cada vez menores.

    Sugiro que, neste primeiro momento, vocês estudem sobre os tipos de investimento para poderem tomar decisões mais conscientes.

    Gostaria de propor 3 ações para ajudar vocês:

    1) Na página inicial do nosso site aqui, você verá um campo para colocar o e-mail e receber as novidades do site. Além disso, receberá também por e-mail nosso Guia Fácil de Investimentos totalmente grátis.

    2) Neste mês de janeiro, estamos ministrando um minicurso para quem deseja aprender sobre investimentos de renda fixa, como Tesouro Direto, CDB, LCI, entre outros. O curso já começou, mas você pode ver as aulas gravadas quantas vezes quiser, além de fazer novas perguntas também. Veja mais detalhes: http://jornadadodinheiro.com/webinario-janeiro/

    3) Participe do nosso grupo de discussão no Facebook. Lá, você pode fazer perguntas e ver as conversas que já tivemos com outros participantes: https://www.facebook.com/groups/662338143896292/

    Espero que tenha ajudado!

    Grande abraço!

  • Airton Dias

    Olá Vitor,

    Vi esse problema na internet, nas minhas tentativas de aprender sobre esse tipo de investimento mas não consegui entender, já pesquisei bem mas nada encontrei, que pudesse tirar uma dúvida estou recorrendo a você, é o seguinte:
    Um investidor aplica R$ 36.000,00 num CDB, com 30 dias de prazo. Sabendo-se que o Banco emitente paga uma taxa de 39% a.a., determinar o valor de resgate, o valor do imposto de renda e o valor de resgate líquido dessa operação.
    Gostaria de entender primeiro sobre o valor do resgate que me deixou sem entender.
    Pois bem essa é a formula:

    Cálculo do valor de resgate

    Valor de resgate = Valor aplicado x (1 + iaa)n/360 = 36.000 x (1 + 0,39)30/360 = 37.001,59

    O que me deixou louco foi esse calculo, essa parte (1+0,39)30/360, como calcular isso meu amigo? não tenho vergonha nenhuma de perguntar, e agradeço muito. E se quiser explicar o resto do problema também agradeceria.

  • Boa tarde, Airton!

    Fique à vontade para perguntar. Nosso objetivo aqui é ajudar as pessoas a adquirirem conhecimento para tomarem decisões sábias por conta própria.

    Talvez tenha complicado a visualização para você, pois falta o sinal de potenciação aí nesse cálculo. Deveria estar (1+0,39)^30/360, ou seja, 1,39^(1/12). Esse sinal ^ representa uma operação de potenciação, que é difícil de ser calculada “na mão”.

    Sugiro que coloque essa fórmula no Excel assim para chegar no mesmo resultado:
    =36000*(1,39^(1/12))

    Espero que tenha ajudado! Grande abraço!

  • Airton Dias

    Obrigado Vitor, a dúvida foi com relação como poderia calcular essa potenciação, um pouco complicado como você disse difícil de calcular à mão.

  • Airton, nem se preocupe com isso!

    O mais importante é você conhecer a fórmula e saber aplicá-la no Excel para receber o valor correto.

    Sinceramente, nem lembro como se calcula. Se é por meio de raiz ou log… precisaria pesquisar no Google. Há anos não faço esse tipo de conta!

  • Airton Dias

    Certo Vitor, fiz no Excel deu tudo certo, calculo do resgate bruto, retirada do IR e resgate liquido, ficando craque no CDB, rsrsrsrsr, obrigado.

  • Thiago Menezes da Silva

    Fala Vitor,

    Parabéns pelo texto, muito bacana!

    Gostaria de ouvir uma opinião sua, vamos imaginar uma situação hipotética onde tenha um valor vamos supor de 20 mil para investir como aposentadoria, você colocaria esse valor no tesouro ou aplicaria em CDB?

  • Fala, Thiago!

    Excelente pergunta!

    O que deve ser analisado sempre é o seu objetivo e o prazo em que será realizado aquele objetivo.

    Não sei sua idade, mas, como mencionou aposentadoria, estipulo um prazo de 10 ou 20 anos.

    Normalmente, um CDB costuma ter prazo máximo de uns 6 anos. Portanto, para esse objetivo, seria mais interessante um Tesouro IPCA+ 2024 ou 2035 para deixar os juros compostos trabalharem por mais tempo.

    Você poderia investir em CDBs e reinvestir quando vencessem, mas estaria pagando imposto de renda mais vezes!

    Espero que tenha ajudado!

    A propósito, já está no nosso grupo de discussão no Facebook?
    http://jornadadodinheiro.com/grupo/

    Grande abraço!

  • Excelente, Airton!

    Depois que já tem a planilha programa certinho, fica mais fácil de fazer os cálculos! 🙂

    A propósito, já está no nosso grupo de discussão no Facebook?
    http://jornadadodinheiro.com/grupo/

    Grande abraço!

  • Thiago Menezes da Silva

    Olá Vitor

    Obrigado pelo retorno!

    O prazo seria esse mesmo, hoje tenho 30 anos e quero levar o investimento o mais longe que puder no caso no Tesouro o mais longo é o 2035 (IPCA +). Como tem CDB’s que estão pagando 120% do CDI, pensei que mesmo realizando o pagando do IR no final do prazo seria interessante está sempre reaplicando até chegar na minha data desejada também pelo fato da alta rentabilidade.

    Indo para o lado do Tesouro, o que você acha sobre dividir um pouco esse valor um exemplo jogando 60% do valor no IPCA+ e os 40% no prefixado?

    Vou dar uma olhada no grupo, obrigado pela indicação.

    Abraço!

  • Legal, Thiago!

    Esses CDBs de 120% do CDI são excelentes também, mas para outros objetivos, como a compra de um carro ou uma casa, ou mesmo uma viagem, de acordo com o prazo do investimento.

    Para o objetivo de aposentadoria, seria mais interessante o Tesouro IPCA+ 2035 mesmo.

    Porém, para não apostar todas as fichas em um único investimento, gosto de diversificar também com ações e fundos imobiliários.

    É claro que depende do seu perfil e apetite a risco, mas no longo prazo tendem a crescer bem se escolhidos com bons critérios!

    Sobre o prefixado, você deve investir quando achar que a inflação começará a cair para garantir um bom ganho acima dela. Caso contrário, se ela subir, você corre o risco de ter um investimento rendendo abaixo da inflação.

    Tem muita gente especulando que a inflação já está caindo e deve continuar e que seria a hora de prefixar.

    Eu não tenho tanta certeza disso. Tudo está muito incerto ainda. Prefiro ficar fora de prefixados.

  • Thiago Menezes da Silva

    Vitor,

    Interessante seu posicionamento! Na verdade meu perfil é mais para o lado conservador mesmo, já havia lido bastante também sobre essa questão de comprar o prefixado quando a inflação começar a reduzir, pra ser sincero também acho que o cenário econômico atual não vai propiciar essa redução a curto prazo.

    Estou pensando em realizar os aportes gradativamente, assim posso acompanhar a economia e caso tenha essa expectativa de redução mais concreta ai sim faço uma ”dosagem” no prefixado também.

    Desde já agradeço a atenção e as informações dadas.

    Abraços!

  • Jean Carlo

    Vitor, bom dia!

    Poderia me ajudar? Fiz diversas contas, principalmente em simuladores, mas não chego a uma conclusão de qual vale mais apenas.
    Qual compensa mais:

    – CDB com aplicação de 10.000,00 pagando 8,15 + ipca com prazo de 60 meses ou;
    – LCI com aplicação de 10.000,00 pagando 7,00 + igpm com prazo de 60 meses

    Fiquei na dúvida porque o ipca e igpm não tem as mesmas taxas, se colocasse 6,5 para ipca e igpm para cálculo, a LCI compensa mais, mas teve anos que o igpm foi menor que o ipca. Vitor afinal qual você escolheria?

  • Fala, Jean!

    Historicamente, IPCA e IGP-M tendem a ser parecidos no longo prazo. Porém, o IPCA costuma oscilar muito pouco, enquanto o IGP-M apresenta grandes altos e baixos.

    Em termos de estabilidade no rendimento, pode ser mais interessante o IPCA, mas em um período de 5 anos eles devem ficar bem próximos.

    Sugiro que faça a simulação usando o mesmo valor para ambos os índices.

    Não fiz o cálculo, mas acredito que o CDB leve vantagem por causa dos 5 anos rendendo um valor maior e tendo o impacto do IR somente no final.

    Dá uma lida neste outro artigo mais recente, no qual apresento todos os cálculos que você precisa com mais detalhamento: http://jornadadodinheiro.com/investir/como-comparar-investimentos-renda-fixa/

    Espero que tenha ajudado!

    Grande abraço!

  • Jean Carlo

    Usando o mesmo valor para ambos os indíces, vou ficar com a LCI, pois na LCI deu R$18.835,59 e para o CDB R$18.337,95.

    Abraços

  • Andrea

    Parabéns pelo trabalho! O artigo me ajudou a esclarecer muitas dúvidas que eu tinha sobre os cálculos de investimento e que nem os meu assessor financeiro me ajuda a compreender. Continuem com o ótimo trabalho! Entrei por acaso no site e adorei o conteúdo. É muito claro e fácil de entender as explicações que vocês passam por aqui. Abs!

  • Legal, Andrea!

    Fico muito feliz que tenha ajudado!

    Participe também do nosso grupo de discussão no Facebook: http://jornadadodinheiro.com/grupo/

    Lá, falamos diariamente sobre esses assuntos e com certeza acelera demais o aprendizado!

    Grande abraço!

  • Andrew S

    Olá. Voce fez as simulacao considerando os anos, mas o calculo é feito somente com dias uteis, não é? Por exemplo, a simulacao de CDB com 110%xCDI para 2 anos ( 730 dias) seria +ou- 500 dias uteis, ou seja, ao final de 500 dias uteis seria R$1277,34 tirando IR, R$ 1235,74. Seria isso???? São considerados dias UTEIS, certo? Obrigado!

  • Vitor Shimada Hernandes

    Fala, Andrew!

    É uma ótima observação! Os CDBs rendem somente durante os dias úteis, está correto.

    No entanto, isso já está embutido na taxa de rentabilidade anual (ela é rentabilizada considerando-se somente os dias úteis).

    Para você ver os cálculos com mais detalhes, com base na rentabilidade diária, dá uma lida neste artigo: http://jornadadodinheiro.com/investir/como-comparar-investimentos-renda-fixa/

    Espero que tenha ajudado!

    Grande abraço!

  • Andrew S

    Vitor obrigado pela resposta.

    Somente o CDB que só é rentabilizado em dias uteis ou todos os invenstimentos (tipo TD, LCA/LCI, LC, Debentures…)?

    Outra coisa, para eu calcular um rendimento em 7 anos (2612 dias corridos)-Da 1795 dias uteis.
    Como faz?…
    Sendo taxa = 11,5% a.a …Divide essa tx pelos dias corridos do ano e eleva pelos dias uteis? isso? ou a tx é dividida pelos dias uteis do ano tambem? ( ao inves de dividir por 365 divide por 255?)

    Ex = M = 2498,08 * (1+ (11,5%/365))^1795 = R$4397,26

    M = 2498,08 * (1+ (11,5%/255))^1795 = R$5611,68

    Aguardo. Obrigado

  • Vitor Shimada Hernandes

    Fala, Andrew!

    Todos esses investimentos são rentabilizados com base nos dias úteis. O único diferente é a caderneta de poupança, que só rentabiliza mensalmente.

    E esse cálculo mesmo que se faz (naquele outro artigo que postei explico em mais detalhes), mas é considerado como convenção 360 dias no ano e 252 dias úteis.

    Aproveito também pra convidá-lo pro nosso grupo no Facebook, caso ainda não esteja: https://www.facebook.com/groups/662338143896292/

    Grande abraço!

  • Andrew S

    Nao ficou muito claro pra mim sua resposta.
    Quais dos exemplos seria o mais correto? Lembrando que são 7 anos (2612 dias corridos, e 1795 dias uteis).
    M = 2498,08 * (1+ (11,5%/365))^1795 = R$4397,26

    M = 2498,08 * (1+ (11,5%/255))^1795 = R$5611,68

    Obrigado

  • Vitor Shimada Hernandes

    Fala, Andrew!

    O debaixo é o correto (pelos dias úteis), mas se usa 252 dias como convenção.

  • Andrew S

    Certo. Outra coisa, sabe me dizer como funciona o calculo de uma Debenture? Porque vi na pagina da Cetip (https://calculadorarendafixa.com.br/), mas eh muito confuso…aparece um monte de valores…..seria a Debeture CART12, mas com taxa de 8,5% ( la aparece so 5,8%)…Consegue me dizer como calculo? (essa DB vence em 15/12/2024)..Obrigado

  • Andrew S

    Sabe me ajudar nisso Vitor ?

  • Vitor Shimada Hernandes

    Fala, Andrew!

    Não consegui acessar o link que você mandou, mas essas divergências de taxas provavelmente são por causa da marcação a mercado.

    Normalmente, as debêntures são emitidas a determinadas taxas e, ao longo do tempo, são reajustadas de acordo com a percepção de risco (se ele aumentou ou diminuiu) e o tempo que resta para o vencimento.

    Grande abraço!

  • Andrew Sza

    Vitor é esse o link https://calculadorarendafixa.com.br/
    clica em Debenture, depois seleciona CART12, com início em 21/10/2017 e a taxa contratada foi de 8,5% ( e nao 5,8% como esta la).
    Você pode me ajudar a calcular o quanto vai render? (vence em 15/12/2024)
    Porque aparece muitos numeros e nao sei o que fazer, ouvi dizer que tem q usar uma calculadora científica, específica da HC.
    Aguardo.
    Obrigado