10 LIÇÕES VALIOSAS ENSINADAS NO MILLIONAIRE MIND INTENSIVE

mm_principal

10 lições valiosas ensinadas no Millionaire Mind Intensive

Sabe quando você se depara com uma situação em que você deve optar por agir ou não agir, fica refletindo por minutos, horas, dias, semanas, meses?

Foi exatamente o que aconteceu comigo.

Em julho deste ano, quando fiquei sabendo que T. Harv Eker, autor do livro best-seller “Os Segredos da Mente Milionária”, viria para o Brasil dar seu treinamento Millionaire Mind Intensive citado no livro, pensei que seria uma oportunidade única e me animei bastante para comprar.

Porém, quando vi os valores dos ingressos, veio automaticamente aquela voz da minha mente: “nossa, que negócio caro!” – havia ingressos nos valores de 1.000, 1.500 e 2.000 reais.

A partir daquele momento, começou minha batalha mental em que parte de mim dizia: “essa é uma oportunidade única! Quando é que ele voltará ao Brasil? Nunca! É um aprendizado que valerá a pena!”

A outra parte de mim, por outro lado, retrucava: “esse seminário está muito caro. Acho que não agregará muito valor além dos ensinamentos do livro. O que é que pode ter de tão especial em umas palestrinhas? Provavelmente, vou acabar cochilando no meio…”

Essa “briga” durou cerca de 3 meses (haja queima de neurônios!), até que decidi, em outubro, que esse seria o presente de aniversário que eu daria a mim mesmo.

MM_01

Por que ir ao evento em vez de simplesmente ler o livro?

Muitos amigos têm me perguntado por que optei por participar ao seminário, sendo que o conteúdo é o mesmo do livro.

O livro realmente apresenta um conteúdo excelente e abre as mentes de todos aqueles que leem. Mas quantas pessoas realmente adotaram os ensinamentos do livro para as próprias vidas? Quantas das lições foram colocadas em prática? Que efeito você sentiu de fato em sua vida?

Infelizmente, temos o costume de absorver conhecimentos, entendê-los, concordar com eles, mas acabamos não colocando em prática.

No seminário, tivemos uma imersão completa nos conhecimentos, que nos fez realmente sentir como aqueles ensinamentos poderiam realmente influenciar de maneira positiva os nossos comportamentos.

O clima criado, os palestrantes sempre muito animados, os participantes no início tímidos, mas se soltando aos poucos.

No dia a dia, estamos todos acostumados com um relacionamento competitivo entre as pessoas, sempre uma tentando passar a perna na outra para conseguir o que querem, mas o evento criou toda essa atmosfera de pessoas lutando juntas por um mesmo objetivo: enriquecer.

Não entrarei a fundo no sentido pleno da palavra “enriquecer”, pois cada pessoa atribui o significado que deseja a essa poderosa palavra.

Por meio de atividades dinâmicas e interações constantes com os palestrantes e o público, pudemos conhecer um pouco da vida de cada um e perceber que a vida não precisa ser de luta entre pessoas, mas sim uma constante luta consigo mesmo para que possa tirar o máximo proveito de sua mente em busca de seus objetivos.

Com palavras, é impossível descrever precisamente a sensação, mas, para quem tiver a oportunidade de participar no futuro, eu recomendo.

Agora, apresentarei 10 lições valiosas que foram ensinadas no Millionaire Mind Intensive.

MM02

1) Se você não está crescendo, está morrendo

O ciclo natural de todo ser vivo é: nascer, crescer e morrer. São as únicas certezas de nossa vida e, por isso, devemos estar em constante crescimento. Quando abrimos mão de crescer, aprender, trabalhar e nos divertir, estamos abrindo mão de viver.

A vida deve ser um constante aprendizado, principalmente quando levamos em consideração que as escolhas não ensinam (ou pouco ensinam) a ganhar mais dos 3 maiores desejos das pessoas em geral: dinheiro, felicidade e amor.

É possível você conquistar mais nesses 3 aspectos simplesmente ao condicionar sua mentalidade, canalizando a energia positiva.

As pessoas costumam ficar presas em suas crenças limitantes de que “nasci pobre, e assim morrerei”, “não nasci para ser feliz” ou “nunca serei amado por ninguém.”

Pode parecer absurdo, mas esses simples pensamentos já afastam a pessoa desses bens da vida.

Não devemos fechar as nossas mentes dizendo “já sei disso”. Ao falar essa simples frase, nossa mente já cria um bloqueio quase intransponível que não permite a aquisição de novos conhecimentos.

Há diversos livros, cursos, palestras sobre como aprender a gerenciar melhor seu dinheiro e criar mais riqueza, como viver uma vida feliz com pequenas mudanças de hábitos e como aprender a se relacionar com amor.

Deixe o “já sei disso” e invista em seu conhecimento nas áreas em que tem mais dificuldade. Tudo na vida é questão de conhecimento e aprendizado. Não se acomode e verá que tem muito a ganhar com isso.

2) A vida pode ser resumida em dois tipos de hábitos: fazer e não fazer

Já parou para pensar como é o desenrolar do seu dia a dia?

Não parece estar vivendo em um daqueles filmes em que o dia começa e tudo se repete igualzinho ao dia anterior?

É incrível como nossa rotina deixa tão pouca margem para fazermos coisas diferentes e sobra tão pouco tempo para aproveitar com o que realmente nos deixa feliz.

Nossa vida acaba passando em piloto automático e, quando percebemos, já está no fim.

Por isso, devemos criar hábitos de fazer coisas importantes, como cuidar de nossa saúde, cuidar de nosso dinheiro, dar atenção aos nossos familiares e amigos. Talvez aquela caminhada diária, uma alimentação um pouco mais saudável, evitar algum gasto supérfluo, investir para a aposentadoria.

Pode começar com pequenos atos e poucos minutos gastos nisso por dia, apenas para criar o hábito de fazer, pois o hábito de não fazer é ainda mais poderoso e nos deixa acomodados para tentar algo novo apenas no dia seguinte. E esse dia seguinte nunca chega…

“Insanidade é fazer a mesma coisa todos os dias e esperar resultados diferentes.”

3) A mudança deve começar em seu interior

O foco em cima do aprender é muito forte, mas talvez tão importante quanto aprender seja o desaprender.

Quando somos crianças, aprendemos muitas coisas pela imitação e assimilação daquilo que acontece à nossa volta.

Com isso, muitas crenças limitantes que aprendemos com nossos pais, professores, amigos e outras pessoas que passam em nossas vidas são instaladas em nossa mente e funcionam como as verdades que criamos para nós mesmos.

No entanto, muitas dessas verdades são válidas somente para nós e para aquelas pessoas, mas não são verdades absolutas para o mundo.

“Nada tem um significado, exceto o significado que você dá”.

O que é uma faca, por exemplo?

Ela pode ser um objeto de corte para alimentos, na sua opinião. Porém, para alguém que cresceu no meio da bandidagem, ela pode ser um objeto para ataque.

Ou seja, tudo tem o significado que você atribui.

Portanto, se sua vida não é exatamente aquilo que você queria, tente enxergar que valores você tem atribuído a ela.

Se os frutos que você está colhendo não são apetitosos, talvez você esteja plantando as sementes erradas. Assim, as raízes que crescem e dão origem aos frutos são a projeção daquilo que você plantou.

Você não poderá colher laranjas se plantou limões. Para mudar os frutos, você deve mudar as sementes e raízes.

Todo fruto que colhemos tem por trás o Processo de Manifestação.

Esse processo diz que os nossos pensamentos geram sentimentos, que, por sua vez, são os desencadeadores de nossas ações, que são as que geram os nossos resultados (os frutos).

Portanto, os pensamentos é que são a base de tudo aquilo que fazemos. E a única forma de mudá-los é criando uma programação favorável aos resultados que queremos.

Essa programação deve ocorrer a partir de 3 pontos fundamentais: consciência, entendimento e recondicionamento.

A consciência é sua percepção de que algo está errado. O entendimento é de saber o que está errado e como isso afeta você. E o recondicionamento é as atitudes que você tomará para mudar isso.

4) A função da nossa mente é de proteger

Você se lembra do início do artigo em que falei sobre a minha batalha contra minha própria mente? Ela estava tentando me dizer que eu poderia simplesmente desperdiçar aquele valor e que correria o risco de não ganhar nada com isso.

A principal função de nossa mente é de nos proteger. Ela faz de tudo para nos impedir de tentar coisas novas e arriscadas, pois pode ser muito perigoso.

É ela que não nos deixa desafiar a zona de conforto, pois pensamos: “bom, estou bem do jeito que está… melhor não fazer nada diferente”.

Mas será que realmente está tudo bem?

Se você tem uma vida excelente na qual não gostaria de mudar absolutamente nada, parabéns!

Porém, as pessoas normais têm objetivos, desejos, anseios, mas também têm a mente superprotetora que desperta aquela sensação muito forte de medo.

O medo é que nos impede de entrar em enrascadas, como quando algum “amigo” chega e diz que vai pular do prédio de 20 andares sem nenhuma proteção. Por que você não faz?

Porque o medo impede você de agir. No fundo, você sabe o quanto isso é perigoso.

O mesmo vale para qualquer coisa que fazemos sem conhecimento ou sem proteção. A mente já desperta aquele aviso de alerta: “e se você pular e se machucar?”, “e se não sair tudo como você planejou?”, “e se o seu projeto não for aprovado”, “e se…”

A mente sempre arruma um meio de colocar obstáculos entre você e seus objetivos.

O medo nada mais é do que a antecipação de uma dor, que pode nem mesmo vir. É o famoso “sofrer por antecipação”.

No entanto, o medo é algo possível de ser combatido, pois ele não existe de fato. É algo criado pela sua própria mente quando você não tem conhecimento ou alguma segurança daquilo que está fazendo. Portanto, são esses os ingredientes que devem ser buscados.

Não existe ninguém que não tenha medos. A coragem não é ausência de medo, mas sim saber enfrentá-lo.

Foque em seu objetivo e, quando sua mente tentar impedi-lo, diga: “obrigado por compartilhar (esse pensamento)”. E siga em frente.

5) As emoções negativas podem nos destruir

É incrível como sempre lembramos mais dos fatos negativos do que os positivos.

Nossa mente seleciona lembranças ruins também como forma de proteção, para lembrarmos que algo pode ser negativo ou perigoso.

Por exemplo, com certeza, você já foi enganado por alguém e ficou remoendo aquilo por dias ou talvez esteja remoendo agora que se lembrou do ocorrido.

O problema é que de nada adianta manter ódio e rancor com relação a algum acontecimento no passado, pois isso não mudará seu presente ou futuro.

A mente precisa ser liberada para energias positivas, e deixar as emoções negativas influenciarem suas ações trará resultados desastrosos.

Agir assim é como se você estivesse envenenando a si mesmo.

6) As pessoas não conseguem o que querem, porque não sabem o que querem

Vemos muitas pessoas infelizes alegando que não conseguem nada do que querem na vida.

Quando perguntamos a elas o que querem, simplesmente respondem: “não sei, uma vida melhor”.

Oras, o que é uma vida melhor?

O que é bom para você pode não ser para mim e vice-versa. A vida que você leva hoje poderia ser ótima para mim.

É necessário ser mais objetivo e identificar exatamente o que você quer.

Por exemplo, “eu gostaria de trabalhar com educação financeira”, “eu quero comprar uma casa própria”, “quero ter filhos”, “quero me mudar para o Canadá”. Esses são exemplos de objetivos concretos.

A partir dessa definição, sua mente estará inconscientemente trabalhando e agindo para que você conquiste esses objetivos.

É claro que você deverá realizar as ações conscientes também, mas aquele subconsciente estará sempre palpitando ali no fundo e lembrando que você tem aquelas metas a serem cumpridas.

Também é importante você definir por que você quer aquele objetivo.

Quanto mais forte o motivo, mais fácil será de alcançá-lo, pois os obstáculos serão enfrentados com força e determinação.

A mente milionária foca no objetivo, nunca nos obstáculos que podem surgir.

7) Quanto mais dinheiro eu tiver, mais os outros também terão

Essa afirmação parece muito estranha, pois o natural seria pensar que, quanto mais eu ganhar, menos dinheiro estará disponível para os outros ganharem, não é mesmo?

A lógica seria essa, mas adaptarei aqui um exemplo usado pelo T. Harv Eker durante o seminário para demonstrar por que aquela afirmação não está muito adequada.

“Certo dia, um viajante chega a um hotel perguntando se havia algum quarto disponível.

O recepcionista do hotel sorri e diz que há somente um quarto, cuja diária custaria 100 reais.

O viajante aceita, entrega os 100 reais e se dirige ao quarto.

O recepcionista pega os 100 reais e corre para a padaria para comprar os ingredientes para o café da manhã.

O padeiro, então, corre com o dinheiro ao cabeleireiro para pagar o corte do dia anterior.

O cabeleireiro vai à loja para comprar aquele sapato que queria.

E assim segue a história… antes de o viajante chegar, não havia aqueles 100 reais no ciclo.

A partir dos 100 reais do viajante, o recepcionista conseguiu pagar os alimentos, o padeiro pagou o corte de cabelo, o cabeleireiro comprou seu sapato e o restante da cadeia seguiu consumindo com aqueles mesmos 100 reais.”

Se o viajante tivesse colocado em jogo 500 reais, os produtos e serviços que seriam consumidos poderiam ser ainda mais valiosos.

Quanto mais dinheiro temos e mais fazemos a roda girar, mais pessoas se beneficiam.

Além disso, quanto mais temos, mais podemos doar também para aqueles que necessitam de nossa ajuda.

8) Não busque oportunidades, busque problemas

“Como assim, buscar problemas? Já tenho problemas demais para me preocupar… na verdade, eu nem busco problema nenhum, eles é que me encontram!”

Exatamente! Sempre ouvimos as pessoas falarem para buscarmos oportunidades melhores de vida, trabalho, educação e tudo o mais…

Mas como é que se encontra uma oportunidade? Ela é algo abstrato demais, difícil de ser encontrada.

Já o problema… esse sim é fácil demais de se encontrar… mas é aí que está sua oportunidade!

Quando você pensar em criar um negócio, procure problemas a serem solucionados.

Os negócios de sucesso surgem ao conseguir ajudar a resolver os problemas do maior número de pessoas.

O foco deve ser este: encontrar os problemas, solucionar os problemas e ajudar as pessoas.

Quanto mais pessoas você ajudar, maior será a importância do seu negócio, da sua empresa. O sucesso e o dinheiro virão como consequência disso, infalivelmente.

9) Aprenda a gerenciar seu dinheiro com a estratégia dos potes

Muitas pessoas conseguem ajudar muitas pessoas e ganhar dinheiro, mas a maioria delas não sabe administrar aquilo que ganham da maneira adequada.

Acabam consumindo muito mais do que ganham e, mesmo com negócios de sucesso e com faturamento enorme, não conseguem acumular riqueza.

Esta mesma estratégia também serve para as pessoas que ainda não ganham tanto dinheiro, pois, com ela, começarão a acumular pouco a pouco um patrimônio que levarão para o resto da vida.

E o grande lema aqui é: pague a si mesmo primeiro!

O gerenciamento de potes consiste em você ter vários potes diferentes, cada um deles com um propósito diferente, no qual você depositará o dinheiro que você ganha (também pode ser contas bancárias diferentes ou simplesmente valores diferentes – os potes são uma mera representatividade dessa divisão).

Quando você receber sua renda, dividirá os valores da seguinte maneira:
– 10% para a conta de liberdade financeira
– 10% para gastos da poupança de longo prazo
– 10% para educação
– 55% para necessidades básicas
– 10% para diversão
– 5% para doação

A conta de liberdade financeira é aquela que nunca será gasta. Ela serve exatamente para garantir a sua liberdade financeira por meio de investimentos para gerar renda passiva. Como o próprio nome já diz, ela garantirá a sua liberdade e segurança para que você tenha um fluxo de caixa cada vez maior para auxiliar nos seus gastos.

A conta de gastos da poupança de longo prazo serve para você definir outros objetivos, como casamento, compra de imóvel, faculdade dos filhos, entre outros. Esta conta pode ser subdividida nesses vários objetivos que você eventualmente tiver e deve ser gasta na hora certa.

A conta para educação serve como uma reserva para você investir em si mesmo. Como já dissemos anteriormente, quem para de crescer e aprender é porque está morrendo. A vida deve ser um constante aprendizado e devemos usar parte de nosso dinheiro para tal.

A conta de necessidades básicas é aquela para usarmos naqueles gastos inevitáveis que temos todos os meses, como contas de luz, água, gás, imóvel, alimentação, transporte, saúde, etc.

A conta de diversão é aquela que devemos usar para manter o sentido em nossas vidas. É impossível viver como robôs, apenas poupando para amanhã, para esse futuro longo que nunca chega. Precisamos de um combustível para nos manter animados e com foco.

A conta de doação é para ajudar aqueles que precisam. Além disso, transferindo energia boa e positiva ao universo, estaremos também abertos a receber coisas boas.

As porcentagens e os objetivos indicados servem apenas como diretriz para que você ajuste da maneira que for mais conveniente para você. Não precisa engessar exatamente da maneira proposta, mas tente seguir aquilo que você definir para si mesmo.

10) O segredo para alcançar a independência financeira é gerar renda passiva

Independência financeira nada mais é do que ter a liberdade de poder trabalhar naquilo que gosta, sem se importar com o que ganha, pois a renda passiva que você recebe já cobre todos os seus gastos (incluindo necessidades básicas, investimentos, objetivos, doações, diversão…).

Uma pessoa financeiramente independente pode ter renda passiva de investimentos e/ou renda passiva de negócios.

A renda passiva de investimentos é aquela gerada por seus instrumentos financeiros, como Tesouro Direto, LCI, CDB, ações, fundos imobiliários, etc.

A renda passiva de negócios vem de um negócio próprio, no qual você já criou um sistema para que a empresa não precise mais de você para funcionar de maneira adequada.

Um exemplo disso é o modelo de franquias.

As franquias normalmente já têm um sistema, um modelo pronto, e o franqueado replica isso e, em troca, paga uma comissão ao franqueador.

Para ter uma vida financeira de sucesso, o ideal seria unir o negócio próprio com a renda passiva de investimentos.

mm03

mm04

Considerações finais

O evento Millionaire Mind Intensive é, sem dúvidas, um grande transformador de mentes e nos faz entender que, para se ter sucesso na vida, só dependemos de nós mesmos.

A nossa briga constante é com a nossa mente. Precisamos aprender a lidar com ela e controlá-la para que ela seja usada como uma verdadeira aliada, em vez de nos sabotar (mesmo que esteja tentando nos proteger).

Veja agora também o vídeo que o Edson Ichihara gravou sobre como o MMI influenciou sua vida:

Espero que eu tenha conseguido transmitir ao menos 1% do que pude aprender no seminário, pois realmente foram lições valiosíssimas que levarei para o resto da vida.

Felizmente, a equipe do MMI estará de novo no Brasil em março de 2016 e você pode ver como será o evento clicando aqui.

Grande abraço!

Vitor Hernandes

MM05

  • Kennedy Linhares

    Muito bom o artigo Vitor! Parabéns! Valeu mesmo faz a gente refletir e realmente entender que as vezes nossa mente acaba nos atrapalhando. Vou ler o livro e quem sabe no futuro uma oportunidade venha a aparecer! Abraço!

  • Dario Lucchesi

    Excelente artigo.

  • Valeu, Dario!

    Já leu esse livro?

    Caso ainda não tenha lido, recomendo muito!

    Grande abraço!

  • Valeu, Kennedy!

    Realmente, os ensinamentos são fantásticos. Ele ensina você a puxar a responsabilidade de sua vida para si. Se algo está errado, não é porque o mundo está errado, mas você está fazendo algo que não deveria.

    As pessoas, por acomodação, acabam querendo jogar a culpa das coisas em outras pessoas e até no acaso, apenas para se livrarem da culpa.

    Quando aprendemos a controlar isso, vemos que nossa vida funciona muito melhor! Ainda estou no início do caminho para interiorizar essas ideias, mas aos poucos você vai tornando isso um hábito!

    Grande abraço!

  • Ralph Guedes Coelho

    Obrigado por compartilhar essa experiência Vítor.
    Com certeza vou ler este livro.

  • Legal, Ralph!

    Depois comenta o que achou do livro.

    Você já está no nosso grupo do Facebook?
    https://www.facebook.com/groups/662338143896292/

    Grande abraço!

  • Anderson Henrique Chaves

    Cara, que bacana! tava mt afim de ir no evento aqui do rio, mas tive uma competição em um dos dias.

    Esse lance da briga mental é foda mesmo. De primeira eu olhei o preço e achei “caramba, 2mil reais, tá mt caro”, mas nao pensei no valor que aquilo poderia agregar ao meu sucesso no longo prazo. Já havia lido e relido o T. Harv Eker e o livro mudou a minha maneira de pensar sobre o dinheiro.

    No livro ele citava 50% para necessidades básicas e 10% para doações.
    Parece que nesse seminario por conta do aumento da inflaçao, pediu 55% para as necessidades básicas e um pouco menos para a doação hehe. Quando recebi o meu salário, tentei separar o dinheiro por meio dessas contas, mas hoje em dia vai no automático. Ainda não ofereço meu dinheiro para doação pois pretendo usar essa grana agora para poder acumular mais e poder doar algo maior no longo prazo. No momento prefiro doar meu tempo, minhas roupas, e alimentos pois eu vejo o local onde a ajuda está chegando.

    abç e valeu por ocmpartilhar conosco

  • Fala, Anderson!

    Sim, infelizmente, a mente consumista brasileira (a minha, a nossa, inclusive) tende a olhar simplesmente o preço das coisas, mas não o real VALOR que aquilo tem ou que pode trazer para você.

    Somente depois que começamos a investir e adquirir conhecimento é que começamos a mudar essa mentalidade imposta pela sociedade.

    É, no livro ele citava as alocações de outra maneira. Talvez ele tenha adaptado aquele gerenciamento para expor aqui no Brasil, já que não temos uma cultura muito forte de doação, principalmente porque a maioria não tem sabe sequer gerenciar o orçamento para pagar as próprias contas.

    Acho válido qualquer tipo de doação, seja dinheiro, roupas, alimentos, serviço comunitário, enfim… doando o que puder e quando puder. Para quem conseguir transformar isso em hábito, melhor ainda.

    Eu ainda não o fiz. Já doei várias vezes de diversas formas, mas ainda não o faço sempre. Na empresa que trabalho, temos uma iniciativa de arrecadar todo mês roupas e alimentos para doar a uma instituição. Também pegamos os cupons fiscais sem CPF e doamos para que essas instituições possam resgatar algum dinheiro da Receita.

    Valeu pelas colocações!

    Grande abraço!

  • Anderson Henrique Chaves

    Valeu Vitor. E o material que ele deu no seminário, gostou? Fiquei bem curioso pra saber como é.

    abç

  • Pedro Morais

    Devo fazer o evento em agosto que terá em SP e vi que existem pacotes diferentes, com locais melhores e um livro e cds. Pensa que vale a pena esses kits melhores ou a inscrição básica já é suficiente? O lugar que fica na platéia faz diferença na prática com eles?

  • Fala, Pedro!

    Quando fui, comprei o VIP. Hoje, iria pelo Gold mesmo. Os DVDs são muito legais, mas não valem a diferença de preço.

    Já no Diamond você tem almoço incluso e contato mais próximo com a equipe deles. Na primeira vez, era um grande chamariz, pois era o próprio Harv que estava aqui. Como agora as palestras são com a equipe dele, esse contato mais próximo serviria para tirar dúvidas e fazer um networking. Caso isso interesse, vá nesse.

    Quanto aos lugares, quem compra Diamond fica nas fileiras mais próximas, creio que sejam umas 4 fileiras. Os VIP em seguida, aí já tem umas 10-20 fileiras. E aí quem compra Gold fica mais para trás.

    Em termos de conteúdo, não faz diferença, pois consegue ver do mesmo jeito.

    De qualquer maneira, se tiver a oportunidade, vá! Vale muito a pena pelo clima criado e muitas pessoas juntas por um mesmo motivo. É contagiante!

  • Susi Guerra

    Adorei a matéria. Uma dúvida, em relação à adm. financeira pela modalidade de potes. Como fazer com as contas pagas com o cartão de crédito, considera-se mês de competência ou mês de pagamento do vencimento da conta no cartão de crédito?

  • Oi, Susi! Muito obrigado!

    Essa questão pode ser da maneira que você preferir. Eu, pessoalmente, utilizo com o mês de pagamento da fatura, porque é quando de fato haverá o gasto do dinheiro.

    Mas muito cuidado com isso para não perder o controle e ficar com faturas muito altas para pagar!

    Você já está no nosso grupo do Facebook? http://jornadadodinheiro.com/grupo/

    Grande abraço!